Elenco de "Guardiões da Galáxia" sai em defesa de realizador despedido

James Gunn foi dispensado pela Disney no dia 20 de julho devido a piadas sobre violações e pedofilia

O elenco da série de filmes Guardiões da Galáxia publicou uma carta aberta em defesa do realizador James Gunn, despedido pela Disney há dez dias, por terem sido recuperadas mensagens antigas com piadas sobre violações e pedofilia.

"Apoiamos na íntegra James Gunn. Ficámos chocados com o seu despedimento abrupto na semana passada, e esperámos estes dez dias antes de responder para podermos pensar, rezar, ouvir e discutir. Durante esse período fomos encorajados pelo imenso apoio de fãs e membros dos media que querem ver o James de volta como realizador do terceiro volume [de Guardiões da Galáxia], mas também desencorajados por aqueles tão facilmente enganados pelas muitas teorias da conspiração em volta dele", pode ler-se na carta divulgada nas redes sociais.

O elenco, composto por atores e atrizes como Chris Pratt, Zoe Saldana, Vin Diesel, Bradley Cooper ou Karen Gillan, realça não pretender defender as piadas feitas por Gunn, mas sim apoiar alguém que mudou as suas vidas para sempre.

"Há pouca diligência no tribunal da opinião pública. O James não será a última boa pessoa a ser condenada. Dada a crescente divisão política nos Estados Unidos, é seguro dizer que situações como esta vão continuar, embora esperemos que americanos de todos os espetros políticos possam parar com os assassinatos de caráter e parar de armar a mentalidade da turba", acrescentam os atores.

A conta de Twitter de Gunn pende para o lado esquerdo do espetro político, o que levou a que várias figuras da extrema-direita dos Estados Unidos recuperassem mensagens publicadas na conta do realizador entre 2008 e 2011, que levaram ao seu despedimento pela Disney.

Gunn foi o argumentista e realizador dos dois filmes da série Guardiões da Galáxia, que adapta um título de banda desenhada da Marvel ao cinema com elementos de comédia e uma banda sonora 'retro'.

Os dois filmes faturaram mais de 1,5 mil milhões de dólares no mercado global (cerca de 1,28 mil milhões de euros ao câmbio atual).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.