Elenco de "Guardiões da Galáxia" sai em defesa de realizador despedido

James Gunn foi dispensado pela Disney no dia 20 de julho devido a piadas sobre violações e pedofilia

O elenco da série de filmes Guardiões da Galáxia publicou uma carta aberta em defesa do realizador James Gunn, despedido pela Disney há dez dias, por terem sido recuperadas mensagens antigas com piadas sobre violações e pedofilia.

"Apoiamos na íntegra James Gunn. Ficámos chocados com o seu despedimento abrupto na semana passada, e esperámos estes dez dias antes de responder para podermos pensar, rezar, ouvir e discutir. Durante esse período fomos encorajados pelo imenso apoio de fãs e membros dos media que querem ver o James de volta como realizador do terceiro volume [de Guardiões da Galáxia], mas também desencorajados por aqueles tão facilmente enganados pelas muitas teorias da conspiração em volta dele", pode ler-se na carta divulgada nas redes sociais.

O elenco, composto por atores e atrizes como Chris Pratt, Zoe Saldana, Vin Diesel, Bradley Cooper ou Karen Gillan, realça não pretender defender as piadas feitas por Gunn, mas sim apoiar alguém que mudou as suas vidas para sempre.

"Há pouca diligência no tribunal da opinião pública. O James não será a última boa pessoa a ser condenada. Dada a crescente divisão política nos Estados Unidos, é seguro dizer que situações como esta vão continuar, embora esperemos que americanos de todos os espetros políticos possam parar com os assassinatos de caráter e parar de armar a mentalidade da turba", acrescentam os atores.

A conta de Twitter de Gunn pende para o lado esquerdo do espetro político, o que levou a que várias figuras da extrema-direita dos Estados Unidos recuperassem mensagens publicadas na conta do realizador entre 2008 e 2011, que levaram ao seu despedimento pela Disney.

Gunn foi o argumentista e realizador dos dois filmes da série Guardiões da Galáxia, que adapta um título de banda desenhada da Marvel ao cinema com elementos de comédia e uma banda sonora 'retro'.

Os dois filmes faturaram mais de 1,5 mil milhões de dólares no mercado global (cerca de 1,28 mil milhões de euros ao câmbio atual).

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.