Eduardo Mendonza é o prémio Cervantes 2016

O escritor espanhol Eduardo Mendoza venceu o Prémio Cervantes 2016, a maior distinção mundial em língua espanhola.

O prémio foi hoje anunciado pelo ministro espanhol da Educação e Cultura, Íñigo Méndez de Vigo, que sublinhou a originalidade da escrita de Mendoza, "cheia de subtileza e ironia" desde a sua primeira novela, "A verdade sobre o caso Savolta", publicada em 1975.

O autor espanhol está traduzido em várias línguas, incluindo a portuguesa.

O prémio de 125 mil euros é geralmente atribuído alternadamente a escritores espanhóis e da América Latina. O escritor mexicano Fernando del Paso foi o vencedor da edição do ano passado.

O prémio é apresentado anualmente em cada 23 de abril, data da morte do autor de D. Quixote.

Eduardo Mendoza é editado em Portugal pela Sextante desde 2010. A editora anunciou hoje que o novo livro do escritor, O Caso da Modelo Perdida, sairá em fevereiro de 2017.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?