Editora Polvo prepara uma dezena de lançamentos

Coincidindo com o festival internacional AmadoraBD, editora prepara uma dezena de lançamentos

A editora de banda desenhada Polvo, que completa 18 anos, prepara uma dezena de lançamentos de álbuns, entre outubro e novembro, durante o festival internacional AmadoraBD, que começa na próxima sexta-feira.

Rui Brito, um dos fundadores e editor da Polvo, explicou à agência Lusa que, entre as edições previstas, estão Milagreiro e Tormenta, dois álbuns assinados por André Oliveira, um dos mais prolíficos argumentistas da atual banda desenhada portuguesa.

O primeiro conta com oito capítulos desenhados por André Caetano, Nuno Plati, Filipe Andrade, Ricardo Tércio, Ricardo Cabral e Ricardo Drumond, alguns dos quais com trabalho sobretudo no estrangeiro. O segundo, uma história pessoal inspirada no avô do argumentista, tem desenho de João Sequeira.

A editora conta ainda editar a BD de ficção científica Madoka Machina, 1, de André Pereira, e reunir em dois volumes a série de banda desenhada para a infância Júnior, Joana e Gão, de Luís Almeida Martins (texto) e Pedro Morais (desenhos).

No AmadoraBD será lançado O pugilista, premiado álbum de BD do autor alemão Reinhard Kleist, que publica pela primeira vez em Portugal e que estará presente no festival.

O livro narra a história verídica do pugilista polaco Hertzko Haft, que sobreviveu aos campos de concentração entretendo as tropas nazis, e que acabou por prosseguir carreira nos Estados Unidos.

A editora Polvo, que também tem investido na edição portuguesa de novelas gráficas do Brasil, prepara-se para publicar novos títulos de André Diniz - Que deus te abandone -, com desenho de Tainan Rocha, e Talco de vidro, de Marcello Quintanilha, livros que se juntam ao recentemente editado Tungsténio deste autor.

Na área do humor, a Polvo editará Seu nome próprio... Maria! Seu apelido, Lisboa!, de Henrique Magalhães.

Todos estes autores brasileiros estarão no AmadoraBD, que se prolonga até novembro.

Para Rui Brito, os festivais de banda desenhada, nomeadamente o AmadoraBD e o de Beja, dão visibilidade ao catálogo e são um ponto de encontro com os artistas, com exposições e sessões de autógrafos.

Fundada em 1997 por Rui Brito, Pedro Brito e Jorge Deodato, a Polvo é uma pequena editora portuguesa independente, que começou por editar autores como Miguel Rocha, Filipe Abranches, Rui Ricardo, Rui Lacas, André Carrilho, José Carlos Fernandes e Derradé.

Em 18 anos, a editora publicou 150 livros e, entre os mais vendidos, estão O amor infinito que te tenho, de Paulo Monteiro, e Tu és a mulher da minha vida, ela a mulher dos meus sonhos, de Pedro Brito e João Fazenda, ambos com tradução para outros países.

Rui Brito recorda que um dos êxitos involuntários da Polvo foi a edição em 2004 de As mulheres não gostam de foder, do autor espanhol Alvarez Rabo, e cuja exibição numa montra de uma livraria em Viseu causou polémica, com um queixa nas autoridades.

"Às tantas aquilo envolveu o Ministério Público, o Bloco de Esquerda pediu explicações ao Governo e as televisões falaram bastante daquilo", recordou Rui Brito que fez, na altura, quatro edições do livro.

Ler mais

Exclusivos