Ed Sheeran enfrenta novo processo por plágio, desta vez de canção de Marvin Gaye

Sheeran é acusado de ter usado uma progressão e composição harmónica semelhante à de Marvin Gaye. Ouça aqui e tire as suas conclusões

O cantor britânico Ed Sheeran está a ser alvo de um processo por ter alegadamente plagiado a canção Let's Get It On, de Marvin Gaye. Os herdeiros do coautor da canção, Ed Townsend, acusaram esta terça-feira Ed Sheeran de ter copiado alguns elementos do êxito de 1973 Let's Get It On no seu single, Thinking Out Loud.

O processo por infração de copyright foi iniciado pelos herdeiros de Ed Townsend, que colaborou na escrita da letra de Let's Get It On e criou o arranjo musical, de acordo com a queixa que foi feita num tribunal federal nova-iorquino. O processo, que pede que um julgamento com júri decida qual o valor monetário da infração, argumenta que as progressões harmónicas e os elementos melódicos e rítmicos que são centrais em Let's Get It On formam a estrutura de Thinking Out Loud, de Sheeran.

"Os acusados copiaram o 'espírito' de Let's e repetiram-no continuamente ao longo de Thinking", lê-se no processo. "As composições melódicas, harmónicas e rítmicas de Thinking são substancialmente e/ou notavelmente parecidas com a composição da percussão de Let's".

No princípio do ano passado, antes de ter sido levantada publicamente a questão de possíveis semelhanças entre estas duas canções, uma banda norte-americana, Home Free, já tinha publicado no YouTube um mash-up dos dois temas, em que misturavam elementos de um e outro, que se tornou muito popular.

A canção Thinking Out Loud venceu o prémio de Canção do Ano nos Grammies de 2016 e chegou ao topo das tabelas de vendas em vários países. Passou um ano inteiro no Top 40 do Reino Unido e já foi ouvida mais de mil milhões de vezes no YouTube. Pode ouvir o single abaixo.

Let's Get It On, por sua vez, foi lançada pelo cantor Marvin Gaye no álbum homónimo de 1973. A canção, assim como o álbum onde está integrada, foi considerada fundamental na construção de um novo estilo de música Motown para os anos 70. Pode ouvir Let's Get It On abaixo.

Este processo chega apenas dois meses após os compositores Martin Harrington e Thomas Leonard terem iniciado um processo contra Sheeran por ter alegadamente copiado "nota por nota" a sua canção de 2009, Amazing, no single Photograph.

No ano passado, a família de Marvin Gaye foi bem-sucedida ao processar Robin Thicke e Pharrell Williams por infração de copyright num outro caso, relacionado com a canção Blurred Lines, que lhes valeu 7.4 milhões de dólares (cerca de 6.6 milhões de euros).

Os representantes dos acusados, Ed Sheeran, a Sony/ATV Music Publishing e a Atlantic Records, não responderam imediatamente aos pedidos da agência Reuters.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.