E os nomeados para o Prémio Autores são...

Os vencedores serão conhecidos no dia 22 de março, numa cerimónia que se realizará no Teatro Nacional D.Maria II

A Sociedade Portuguesa de Autores já revelou a lista de nomeados para o Prémio Autores 2016. A lista engloba 8 categorias que abrangem as áreas da televisão, música, teatro, dança, artes visuais, cinema, rádio e literatura.

A novela A Única Mulher, o filme As Mil e uma Noites, os discos Quarto Crescente e Exctint ou a peça Demónios são alguns dos nomeados, assim como a atriz Maria Rueff, o cineasta João Salaviza e o músico Diogo Piçarra.

Ao todo são mais de 60 os nomeados para o Prémio Autores. A cerimónia de entrega realiza-se no dia 22 de março, no Teatro Nacional D.Maria II em Lisboa e irá ser transmitido em direto na RTP2.

TELEVISÃO

MELHOR PROGRAMA DE INFORMAÇÃO

Sobreviventes

Autoria Jornalística: Sofia Arêde - SIC Notícias

O amor não mata

Autoria Jornalística: Ana Sofia Fonseca - SIC

Carta ao meu Avô

Autoria Jornalística: Sofia Pinto Coelho e João Nunes - SIC

MELHOR PROGRAMA DE FICÇÃO

Os Maias - Cenas da Vida Romântica

Autoria: João Botelho, adaptação cinematográfica da obra homónima de Eça de Queirós

Realização: João Botelho - RTP

A Única Mulher

Autoria: Maria João Mira e André Ramalho, com ideia original de José Eduardo Moniz

Realização: António Borges Correia - TVI

Coração D' Ouro

Autoria: Pedro Lopes

Realização: Sérgio Graciano - SIC

MELHOR PROGRAMA DE ENTRETENIMENTO

Visita Guiada

Autoria: Paula Moura Pinheiro - RTP 2

Isto é tudo muito bonito, mas

Autoria:José Diogo Quintela, Miguel Góis e Ricardo Araújo Pereira

Realização: Luís Salvador - TVI

Donos disto tudo

Autoria: Maria João Cruz; Ana Rita Ribeiro; Daniel Leitão; Guilherme Fonseca; Joana Marques; Mário Botequilha; Patrícia Castanheira; Susana Romana; Vítor Elias

Realização: Fernando Ávila - RTP

DANÇA

MELHOR COREOGRAFIA

A Perna Esquerda de Tchaikovski de Tiago Rodrigues

Projecto Continuado (2015) de João dos Santos Martins

Tábua Rasa de António Cabrita, Henriett Ventura, São Castro e Xavier Carmo

RÁDIO

MELHOR PROGRAMA DE RÁDIO

Programa da Manhã Antena 1

Fila J TSF de José Carlos Barreto

A Vida dos Sons Antena 1 de Ana Aranha e Iolanda Ferreira

ARTES VISUAIS

MELHOR EXPOSIÇÃO DE ARTES PLÁSTICA

Civilizações de Tipo I, II, III de Rui Toscano

HELENA ALMEIDA: MINHA OBRA É O MEU CORPO, O MEU CORPO É A MINHA OBRA de Helena Almeida

Todos os Livros de Lourdes Castro

MELHOR TRABALHO DE FOTOGRAFIA

Through the Pale Dawn de Carlos Lobo

Posto de Trabalho de Valter Vinagre

One's own arena de José Pedro Cortes

MELHOR TRABALHO CENOGRÁFICO

Pirandello de José Capela

O Animador de Catarina Barros

E Morreram Felizes para Sempre de Rui Francisco e Susana Fonseca

LITERATURA

MELHOR LIVRO DE FICÇÃO NARRATIVA

O Olhar e a Alma Romance de Modigliani de Cristina Carvalho

Editora: Editorial Planeta

Jacarandá de Francisco Duarte Mangas

Editora: Teodolito

Perguntem a Sarah Gross de João Pinto Coelho

Editora: Dom Quixote

MELHOR LIVRO DE POESIA

A Sombra do Mar de Armando Silva Carvalho

Editora: Assírio & Alvim

L de Lisboa de Ana Marques Gastão

Editora: Assírio & Alvim

Persianas de Miguel Manso

Editora: Tinta-da-china

MELHOR LIVRO INFANTOJUVENIL

A Palavra Perdida de Inês Fonseca Santos e Ilustração de Marta Madureira

Editora: Arranha- Céus

Eu Quero a Minha Cabeça de António Jorge Gonçalves

Editora: Pato Lógico Edições

A Cantora Deitada de Sandro William Junqueira e Ilustração de Maria João Lima

Editora: Editorial Caminho

TEATRO

MELHOR ESPECTÁCULO

Demónios de Nuno Cardoso

I Can't Breathe de Elmano Sancho

Morceau de Bravoure de Companhia Cão Solteiro

MELHOR ACTRIZ

Sofia Marques em Lisboa famosa, portuguesa e milagrosa

Micaela Cardoso em Demónios

Maria Rueff em António e Maria

MELHOR ACTOR

Marco d' Almeida em Macbeth

Pedro Frias em Demónios

Miguel Moreira em Ricardo III

MELHOR TEXTO PORTUGUÊS REPRESENTADO

Ifigénia; Agamémnon; Electra de Tiago Rodrigues

Cruzeiro de Abel Neves

Para uma Encenação do Hamlet de Jorge Listopad

CINEMA

MELHOR ARGUMENTO

Yvone Kane

autoria: Margarida Cardoso

Se eu fosse ladrão roubava

autoria: Regina Guimarães

As Mil e Uma Noites

Autoria: Miguel Gomes, Mariana Ricardo e Telmo Churro

MELHOR FILME

As Mil e Uma Noites

Autoria: Miguel Gomes

Montanha

Autoria: João Salaviza

Yvone Kane

Autoria:Margarida Cardoso

MELHOR ACTRIZ

Victória Guerra em Amor Impossível

Beatriz Batarda em Yvone Kane

Joana de Verona em As Mil e Uma Noites

MELHOR ACTOR

Gonçalo Waddington em As Mil e Uma Noites

José Mata em Amor Impossível

David Mourato em Montanha

MÚSICA

MELHOR TEMA DE MÚSICA POPULAR

Chama-me que eu Vou de David Fonseca

Os Tais de Carlão

Tu e Eu de Diogo Piçarra

MELHOR TRABALHO DE MÚSICA ERUDITA

Maestro Álvaro Cassuto pela obra José Viana da Mota - À Pátria (Royal Liverpool Philharmonic Orchestra)

Maestro Pedro Neves pelo Concerto na Casa da Música à frente da Banda Sinfónica Portuguesa com obras de Cândido Lima, Lino Guerreiro, Rui Rodrigues, Pedro Lima Soares e Diogo Carvalho, das quais 4 em estreia absoluta

Maestro Pedro Carneiro pelo Concerto na Konzerthaus em Berlim com a Jovem Orquestra Portuguesa

MELHOR DISCO

Extinct de Moonspell

Quarto Crescente de Márcia

Infinito Presente de Camané

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...