E os melhores atores são... Joana Bárcia, João Pedro Vaz e Miguel Nunes

A 10.ª edição do Prémio Atores de Cinema da Fundação GDA, em que os melhores profissionais são eleitos pelos colegas, distinguiu hoje os três atores

O talento e o desempenho nos filmes Cinzento e Negro e Cartas da Guerra valeram esta noite novas distinções a três atores portugueses.

Na 10.ª edição do Prémio Atores de Cinema da Fundação GDA - um prémio de atores para atores, que tem como principal objetivo tornar visível o seu trabalho em Portugal -, que decorreu esta noite no Teatro da Trindade, em Lisboa, Joana Bárcia venceu pela sua interpretação no papel principal do filme Cinzento e Negro, de Luís Filipe Rocha, enquanto João Pedro Vaz foi considerado o Melhor Ator Secundário e Miguel Nunes levou para casa o troféu Novo Talento, ambos pelos seus desempenhos no filme Cartas da Guerra, de Ivo M. Ferreira.

Numa cerimónia conduzida por Margarida Vila-Nova, também atriz, a GDA - Gestão dos Direitos dos Artistas, entidade que em Portugal gere os direitos de propriedade intelectual de músicos, atores e bailarinos, valorizando o trabalho dos artistas e promovendo o seu desenvolvimento humano e cultural e a sua proteção social, cumpre assim uma década de distinções, encerrando a cerimónia com a passagem de uma curta-metragem cuja produção foi apoiada pelo programa com que a Fundação GDA financia, todos os anos, várias curtas-metragens. Será "O Homem de Trás-os-Montes", um dos filmes apoiados em 2016.

Além da estatueta, Joana Bárcia, de 45 anos e com muitos deles passados sobre um palco ou nos ecrãs, levará ainda para casa um cheque de 3 mil euros, cabendo a João Pedro Vaz, de 43, um de 2 mil euros e ao Novo Talento Miguel Nunes, de 29 anos, um prémio de mil euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.