E os melhores atores são... Joana Bárcia, João Pedro Vaz e Miguel Nunes

A 10.ª edição do Prémio Atores de Cinema da Fundação GDA, em que os melhores profissionais são eleitos pelos colegas, distinguiu hoje os três atores

O talento e o desempenho nos filmes Cinzento e Negro e Cartas da Guerra valeram esta noite novas distinções a três atores portugueses.

Na 10.ª edição do Prémio Atores de Cinema da Fundação GDA - um prémio de atores para atores, que tem como principal objetivo tornar visível o seu trabalho em Portugal -, que decorreu esta noite no Teatro da Trindade, em Lisboa, Joana Bárcia venceu pela sua interpretação no papel principal do filme Cinzento e Negro, de Luís Filipe Rocha, enquanto João Pedro Vaz foi considerado o Melhor Ator Secundário e Miguel Nunes levou para casa o troféu Novo Talento, ambos pelos seus desempenhos no filme Cartas da Guerra, de Ivo M. Ferreira.

Numa cerimónia conduzida por Margarida Vila-Nova, também atriz, a GDA - Gestão dos Direitos dos Artistas, entidade que em Portugal gere os direitos de propriedade intelectual de músicos, atores e bailarinos, valorizando o trabalho dos artistas e promovendo o seu desenvolvimento humano e cultural e a sua proteção social, cumpre assim uma década de distinções, encerrando a cerimónia com a passagem de uma curta-metragem cuja produção foi apoiada pelo programa com que a Fundação GDA financia, todos os anos, várias curtas-metragens. Será "O Homem de Trás-os-Montes", um dos filmes apoiados em 2016.

Além da estatueta, Joana Bárcia, de 45 anos e com muitos deles passados sobre um palco ou nos ecrãs, levará ainda para casa um cheque de 3 mil euros, cabendo a João Pedro Vaz, de 43, um de 2 mil euros e ao Novo Talento Miguel Nunes, de 29 anos, um prémio de mil euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.