É oficial: U2 não vêm a Portugal no próximo ano

Promotora tinha avançado com a possibilidade da banda irlandesa regressar a Portugal seis anos depois dos concertos em Coimbra

A promotora Ritmos & Blues anunciou hoje que não está confirmado qualquer concerto dos U2, em 2016, em Portugal, apesar de terem existido negociações para um regresso da banda a palcos nacionais.

"Nós nunca confirmámos concertos nenhum. Houve negociações, sim senhor, e tentativas, conversações, mas, por várias razões, não se confirma qualquer concerto deles. Fala-se que vão gravar um novo álbum, que estão parados", afirmou à agência Lusa o promotor Álvaro Ramos.

A hipótese de um regresso dos U2 a Portugal, em 2016, tinha sido avançada há vários meses pela promotora, em declarações à comunicação social, e que faltaria confirmar datas e locais. Hoje, na rede social Facebook, a Ritmos & Blues explica que não haverá qualquer concerto.

"Quando eles [os U2] voltarem a fazer concertos outra vez, pois aí veremos", afirmou à Lusa Álvaro Ramos, um dos fundadores da Ritmos & Blues, que tem sido a promotora responsável pela realização dos espectáculos da banda de Bono e The Edge em Portugal.

A última vez que os U2 estiveram em Portugal foi em 2010, com dois concertos no Estádio Cidade de Coimbra.

Dois dos últimos concertos dos U2 foram nos dias 7 e 8 de dezembro, em Paris, datas que foram remarcadas depois dos atentados de 13 de novembro na capital francesa.

A banda andou na estrada com a digressão "Innocence + Experience Tour 2015", que contou com vários concertos em cada cidade por onde passarm, dando preferência a recintos fechados, em vez de estádios.

O motivo para esta nova digressão é o álbum "Songs of Innocence", editado em 2014.

Por causa dos atentados de Paris, os U2 escreveram uma nova canção, intitulada "Streets of Surrender", que aborda o tema da violência e a crise dos refugiados.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.