É como "dar medalha ao Evereste por ser a montanha mais alta"

Leonard Cohen aplaudiu a atribuição do Nobel da Literatura a Bob Dylan

O músico e poeta canadiano Leonard Cohen aplaudiu a atribuição do Nobel da Literatura a Bob Dylan e considerou que é como "dar uma medalha ao monte Evereste por ser a montanha mais alta".

Cohen, de 82 anos, participou na quinta-feira num encontro com jornalistas em Los Angeles, Estados Unidos, para promover o seu novo disco "You Want It Darker".

O moderador Chris Douridas perguntou-lhe por um recente artigo de David Remnick na revista The New Yorker em que Dylan disse que "quando falam de Leonard, evitam mencionar as suas melodias (...) que juntamente com as suas letras são a sua verdadeira genialidade".

Cohen disse que Dylan foi "muito generoso" ao dedicar-lhe estas palavras, e falou da atribuição do Prémio Nobel da Literatura, na quinta-feira.

"Não vou dar opinião sobre o que ele disse, mas sim sobre ter recebido o Prémio Nobel, o que para mim foi como dar uma medalha ao monte Evereste por ser a montanha mais alta [do mundo]", afirmou.

Cohen, tal como o agora premiado Dylan, tem sido uma das apostas dos últimos anos para o Nobel da Literatura.

Segundo a Academia Sueca, Dylan, de 75 anos, venceu o prémio de 2016 por "ter criado uma nova expressão poética dentro da grande tradição da canção norte-americana".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.