É como "dar medalha ao Evereste por ser a montanha mais alta"

Leonard Cohen aplaudiu a atribuição do Nobel da Literatura a Bob Dylan

O músico e poeta canadiano Leonard Cohen aplaudiu a atribuição do Nobel da Literatura a Bob Dylan e considerou que é como "dar uma medalha ao monte Evereste por ser a montanha mais alta".

Cohen, de 82 anos, participou na quinta-feira num encontro com jornalistas em Los Angeles, Estados Unidos, para promover o seu novo disco "You Want It Darker".

O moderador Chris Douridas perguntou-lhe por um recente artigo de David Remnick na revista The New Yorker em que Dylan disse que "quando falam de Leonard, evitam mencionar as suas melodias (...) que juntamente com as suas letras são a sua verdadeira genialidade".

Cohen disse que Dylan foi "muito generoso" ao dedicar-lhe estas palavras, e falou da atribuição do Prémio Nobel da Literatura, na quinta-feira.

"Não vou dar opinião sobre o que ele disse, mas sim sobre ter recebido o Prémio Nobel, o que para mim foi como dar uma medalha ao monte Evereste por ser a montanha mais alta [do mundo]", afirmou.

Cohen, tal como o agora premiado Dylan, tem sido uma das apostas dos últimos anos para o Nobel da Literatura.

Segundo a Academia Sueca, Dylan, de 75 anos, venceu o prémio de 2016 por "ter criado uma nova expressão poética dentro da grande tradição da canção norte-americana".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.