E Anselmo Ralph voltou ao lugar onde foi feliz

Músico angolano, de 35 anos, lançou o seu novo álbum 'Amor é Cego' no Campo Pequeno. Concerto de duas horas contou com os convidados especiais Plutonio, Laton Cordeiro e Laura Vargas (ex-concorrente do programa televisivo The Voice Portugal).

Sempre a sorrir, agradecendo aos fãs, lembrando a importância do amor, da paz e da compreensão, Anselmo Ralph, músico angolano de 35 anos, lançou o seu novo álbum - 'Amor é Cego' - esta sexta-feira à noite num concerto no Campo Pequeno em Lisboa.

Feliz por regressar ao local onde há quatro anos deu o seu primeiro concerto em Portugal, lembrou que são os fãs que fazem os artistas e agradeceu o facto de o seu novo álbum - com 15 temas - ter entrado diretamente para o primeiro lugar do top de vendas a nível nacional em novembro.' Todo Teu', 'Como Dói', 'Money' e 'Por Favor DJ' foram alguns dos temas desse novo trabalho que tocou.

Um dos nomes do momento no que à kizomba diz respeito, Anselmo Ralph, conhecido também pela sua participação como jurado do concurso televisivo The Voice Portugal, junta neste novo álbum sonoridades como o R&B, o Afro Pop ou o Trap norte-americano.

Foi, porém, quando o músico cantou temas mais antigos como 'Única Mulher', 'Curtição' ou 'Não me Toca' que o público mais delirou, cantou, dançou, exibindo cartazes e cachecóis com o nome do cantor. Neste concerto, Anselmo Ralph, que em março tocou na tomada de posse do presidente Marcelo Rebelo de Sousa, contou com a participação dos convidados especiais Plutonio, Laton Cordeiro e Laura Vargas (ex-concorrente do programa televisivo The Voice Portugal). Na plateia, como ele próprio fez questão de frisar, a assistir, estava também a sua mãe Bernardeth Andrade.

Foram duas horas de muito ritmo, aplausos, luzes e cores, que terminaram sem direito a encore, com o público a desmobilizar de imediato na praça do Campo Pequeno. Ficou a mensagem de amor, paz e compreensão que Anselmo Ralph quis transmitir aos fãs. De sorriso no rosto. Do início ao fim.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.