E Anselmo Ralph voltou ao lugar onde foi feliz

Músico angolano, de 35 anos, lançou o seu novo álbum 'Amor é Cego' no Campo Pequeno. Concerto de duas horas contou com os convidados especiais Plutonio, Laton Cordeiro e Laura Vargas (ex-concorrente do programa televisivo The Voice Portugal).

Sempre a sorrir, agradecendo aos fãs, lembrando a importância do amor, da paz e da compreensão, Anselmo Ralph, músico angolano de 35 anos, lançou o seu novo álbum - 'Amor é Cego' - esta sexta-feira à noite num concerto no Campo Pequeno em Lisboa.

Feliz por regressar ao local onde há quatro anos deu o seu primeiro concerto em Portugal, lembrou que são os fãs que fazem os artistas e agradeceu o facto de o seu novo álbum - com 15 temas - ter entrado diretamente para o primeiro lugar do top de vendas a nível nacional em novembro.' Todo Teu', 'Como Dói', 'Money' e 'Por Favor DJ' foram alguns dos temas desse novo trabalho que tocou.

Um dos nomes do momento no que à kizomba diz respeito, Anselmo Ralph, conhecido também pela sua participação como jurado do concurso televisivo The Voice Portugal, junta neste novo álbum sonoridades como o R&B, o Afro Pop ou o Trap norte-americano.

Foi, porém, quando o músico cantou temas mais antigos como 'Única Mulher', 'Curtição' ou 'Não me Toca' que o público mais delirou, cantou, dançou, exibindo cartazes e cachecóis com o nome do cantor. Neste concerto, Anselmo Ralph, que em março tocou na tomada de posse do presidente Marcelo Rebelo de Sousa, contou com a participação dos convidados especiais Plutonio, Laton Cordeiro e Laura Vargas (ex-concorrente do programa televisivo The Voice Portugal). Na plateia, como ele próprio fez questão de frisar, a assistir, estava também a sua mãe Bernardeth Andrade.

Foram duas horas de muito ritmo, aplausos, luzes e cores, que terminaram sem direito a encore, com o público a desmobilizar de imediato na praça do Campo Pequeno. Ficou a mensagem de amor, paz e compreensão que Anselmo Ralph quis transmitir aos fãs. De sorriso no rosto. Do início ao fim.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.