Dylan Farrow volta a acusar Woody Allen de abusos sexuais. Cineasta fala em aproveitamento

"Nunca abusei sexualmente da minha filha, como já concluíram todas as investigações que se realizaram há 25 anos", disse o realizador

Dylan Farrow, filha adotiva de Woody Allen e Mia Farrow, reiterou esta quinta-feira, numa entrevista televisiva, ter sido vítima de abusos sexuais por parte do pai quando tinha apenas 7 anos, acusação que o cineasta desmente numa breve declaração.

"Nunca abusei sexualmente da minha filha, como já concluíram todas as investigações que se realizaram há 25 anos", afirma Woody Allen, que assegura que a família Farrow está a aproveitar "cinicamente" a situação atual e a oportunidade criada pelo movimento "Time's Up" para voltar a trazer à luz a acusação.

Só que "isso não torna a situação mais correta hoje do que era no passado", acrescenta, num breve comunicado enviado aos meios de comunicação social.

A jovem, que atualmente tem 32 anos, está casada e tem uma filha de 16 meses, mostrou-se hoje firme, em vez de emocionada, na entrevista emitida pelo programa "CBS This Morning".

"Quero dar a cara e contar a minha história", disse Dylan, detalhando como o seu pai a levou para um sótão na casa de campo de Mia Farrow, em Connecticut, pediu-lhe que se deitasse de barriga e brincasse com um comboio do irmão.

"Ele sentou-se atrás de mim, na entrada, e quando estava a brincar com o comboio, abusou sexualmente de mim... Como criança de 7 anos que era, teria dito que ele tocou nas minhas partes privadas, e foi o que eu disse", explicou.

"Agora, com 32, eu diria que ele tocou nos meus lábios vaginais e na minha vulva com os dedos", disse Dylan, acrescentando que a mãe tinha ido às compras naquele dia e quando voltou estava tão chateada que julgou que tinha feito alguma coisa errada.

Dylan sentiu vergonha e, quando a mãe a levou ao pediatra, de início não reconheceu os factos, embora o tenha feito mais tarde.

Sobre se foi instruída pela mãe a mudar a história, Dylan respondeu: "Não entendo por que é que essa história absurda de que me lavaram o cérebro e me instruíram é mais credível do que o que estou a dizer, que sofri abuso por parte do meu pai".

Durante todos estes anos, Mia Farrow apenas a encorajou a "dizer a verdade", garantiu Dylan, que não conteve as lágrimas ao ver uma antiga entrevista de Woody Allen, na qual negava os factos.

"Ele está a mentir e está a mentir há muito tempo, é difícil, para mim, vê-lo e ouvir a sua voz", disse.

Além disso, a jovem afirmou que o incidente do sótão não foi a única vez em que o comportamento de Allen foi inadequado. Contou que ele a seguia, que lhe tocava constantemente e que, inclusivamente, lhe pedia para se meter na cama com ele, quando estava apenas de cuecas.

Uma atitude que nunca teve com outros dos seus filhos, como Ronan, o único biológico de Allen e Farrow e que sempre apoiou a irmã nas suas denúncias.

Em 1992, a sua então companheira, Mia Farrow, alegou durante o processo de separação que Allen havia abusado de Dylan, a filha que ambos tinham adotado.

Estas acusações foram investigadas "a fundo pela Clínica de Abuso Sexual Infantil do Hospital Yale-New Haven e o Centro de Bem-estar Infantil do Estado de Nova Iorque", recorda o realizador.

Ambas as instituições "concluíram de forma independente que não tinha havido nenhum abuso sexual. Em contrapartida, descobriram que provavelmente uma rapariga vulnerável havia sido instruída pela sua enraivecida mãe a contar essa história, durante uma rutura polémica", algo de que foi testemunha Moses, irmão mais velho de Dylan, como assegura Allen.

Tentava "convencê-la de que o seu pai era um perigoso predador sexual", relata o cineasta, acrescentando: "e, desgraçadamente, estou convencido de que Dylan acredita de verdade no que diz".

As alegações foram arquivadas após o promotor de Connecticut questionar a credibilidade do relatório do Hospital Yale-New Haven, mas também depois de ter concluído que a fragilidade de Dylan tornava impossível o confronto cara a cara com Allen no julgamento.

As acusações da jovem receberam o aval de atrizes como Natalie Portman ou Reese Witherspoon, que afirmam acreditar em Dylan e que fazem parte do movimento "Time's Up" contra o silêncio em casos de assédio sexual.

"Com tanto silêncio quebrado por tantas pessoas corajosas, que atacaram gente de alto nível, senti que era importante acrescentar a minha história, porque é algo por que eu tenho lutado há muito tempo", acrescentou.

Ler mais