Duas orquestras na abertura do AngraJazz

A big band da casa e um dueto franco-argentino encheram a primeira noite do Festival Internacional de Jazz de Angra do Heroísmo de sons estimulantes.

A noite começou com um forte aplauso de receção à Orquestra AngraJazz, e terminou com uma plateia rendida ao duo Baptiste Trotignon e Minino Garay. Os dois concertos da noite inaugural do Festival Internacional de Jazz da Terceira, Açores, encheram a casa e os sentidos a quem ontem esteve no Centro Cultural e de Congressos de Angra do Heroísmo.

A orquestra da casa, uma formação de 23 elementos, percorreu um conjunto de temas de cinco nomes do jazz cujo centenário se assinala este ano. Com o maestro Claus Nymark aos comandos, a big band deu vida a temas de Tadd Dameron, Dizzy Gilespie, Ella Fitzgerald e Lena Horne (com Sara Miguel na voz) e do incandescente Thelonious Monk. No final, uma sala entusiasmada e o maestro visivelmente satisfeito, perante uma orquestra de sorrisos: o trabalho de casa deste ano correu bem.

Formada por músicos amadores, a Orquestra AngraJazz prepara todos os anos um novo reportório para abrir o festival. No ano passado tocou The Far East Suite, de Duke Ellington, na íntegra - um programa que vai ser tocado em Ponta Delgada (28 de outubro) e no Funchal (18 de novembro) - e este ano homenageou os centenários do jazz.

A fechar a noite, o duo franco-argentino Baptiste Trotignon e Minino Garay. O francês ao piano e o argentino na percussão, deram o show da noite. Tocam juntos há seis anos depois de se terem conhecido num festival de jazz em Buenos Aires. Garay é todo ele, com e sem os instrumentos de percussão que o rodeiam, uma máquina de som. Os sons que faz batendo no peito, no chão, com a boca juntam-se ao piano, por vezes clássico, por vezes enlouquecido de Trotignon numa valente provocação sonora que nos leva de um tango de Gardel ao pop e ao jazz.

Entre dois temas, o francês, considerado um dos melhores pianistas de jazz do momento, que já tocou com músicos como Brad Mehldau, apresentou "a orquestra", apontando para Garay, de onde sairiam ainda mais sonoridades diversas até ao fim do espetáculo que terminaria com dois solos, um de cada, e os gritos de "bravo!" na plateia. (Hoje tocam no Hot Clube de Portugal, em Lisboa)

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.