Doze edifícios públicos que resistiram a dez anos de crise

De Álvaro Siza a Bak Gordon, passando por Aires Mateus, em maio a Bienal de Veneza vai conhecer doze edifícios públicos realizados por arquitetos portugueses nos últimos dez anos.

O que têm em comum o edifício do Centro de Criação Contemporânea Olivier Debré, em Tours (França), concebido pelos arquitetos Aires Mateus e inaugurado no ano passado e o projeto do arquiteto Carlos Prata para os Molhes do Douro, gigante intervenção em betão na foz do rio Douro inaugurada em 2009?

Estes são dois dos 12 edifícios públicos concebidos por arquitetos portugueses ao longo dos últimos dez anos que integram a exposição Public Without Rhetoric, que vai estar no Pavilhão de Portugal na 16º Exposição Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza, de 26 de maio a 25 de novembro.

......................................................................................................................................................................

Lista das Obras em Veneza:

1 - Arquipélago - Centro de Artes Contemporâneas, Ribeira Grande, de João Mendes Ribeiro e Menos é Mais (Cristina Guedes e Francisco Vieira de Campos)


2 - Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo, de Inês Lobo


3 - Centro de Criação Contemporânea Olivier Debré, Tours, de Aires Mateus e Associados (Manuel Mateus e Francisco Mateus)


4 - Centro de Visitantes da Gruta das Torres, Pico, de SAMI (Inês Vieira da Silva e Miguel Vieira)


5 - Estação de Metro Município, Nápoles, de Álvaro Siza, Eduardo Souto Moura e Tiago Figueiredo
6 - Hangar Centro Náutico, Montemor-o-Velho, de Miguel Figueira
7 - I3S, Instituto de Inovação e Investigação em Saúde, Porto, de Serôdio Furtado Associados (Isabel Furtado e João Pedro Serôdio)
8 - Molhes do Douro, de Carlos Prata
9 - Parque Urbano de Albarquel, Setúbal, de Ricardo Bak Gordon
10 - Pavilhões Expositivos Temporários "Incerteza Viva: Uma exposição a partir da 32ª Bienal de São Paulo", Parque de Serralves, Porto. De depA (Carlos Azevedo, João Crisóstomo e Luís Sobral), Diogo Aguiar Studio, FAHR 021.3 (Filipa Fróis Almeida e Hugo Reis), Fala Atelier (Ana Luísa Soares, Filipe Magalhães e Ahmed Belkhodja), Ottotto (Teresa Otto)
11 - Teatro Thalia, Lisboa, de Gonçalo Byrne e Barbas Lopes Arquitectos (Diogo Seixas Lopes e Patrícia Barbas)
12 - Terminal de Cruzeiros de Lisboa, de João Luís Carrilho da Graça

......................................................................................................................................................................

Na apresentação da participação portuguesa na Bienal, ontem, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, os curadores Nuno Brandão Costa e Sérgio Mah explicaram que a ideia para esta exposição partiu da constatação de que, na última década, muito por causa da crise que se viveu no país, "desenvolveu-se uma retórica contra a construção do edifício público, visto como uma despesa acessória e nefasta". Apesar desta má-fama, diz Nuno Brandão Costa, os edifícios públicos cumprem funções importantes não só no desenvolvimento das cidades e na renovação do espaço público, como também são importantes a nível social e cultural, no modo como as pessoas se reveem nos espaços públicos e os vivem.

Entre 2007 e 2017, "apesar do brutal decréscimo" neste tipo de construção, dizem os curadores, temos "um significativo número de obras públicas de grande qualidade". Para esta exposição, escolheram 12 desses edifícios, "com características programáticas e territoriais diferentes", assim como abarcar arquitetos de várias gerações, desde os nascidos nos anos 30 aos que nasceram nos anos 80.

Assim, entre os 12 edifícios selecionados, encontramos, por exemplo, a Estação de Metro Município em Nápoles (Itália), inaugurada em 2015, e que é uma obra dos dois arquitetos portugueses que ganharam o Prémio Pritzker (Álvaro Siza, nascido em 1933, e Souto Moura, 1952) com Tiago Figueiredo (outro arquiteto do Porto, nascido em 1972). Mas também encontramos uma seleção de pavilhões expositivos temporários, criados por equipas de jovens arquitetos e com caráter efémero. E tanto podemos ter um projeto de reabilitação de um teatro (o Thalia, em Lisboa, de autoria de Gonçalo Byrne e Barbas Lopes Arquitetos) como um edifício ligado ao desporto, o Hangar Centro Náutico, em Montemor-o-Velho, criado por Miguel Figueira.

O título da exposição é inspirado no manifesto Without Rhetoric, dos arquitetos ingleses Alison e Peter Smithson (ativos entre 1955 e 1972), que mais tarde inspirou também o trabalho de Helena Webster, Modernism Without Rhetoric (1997).

A exposição, que se inaugura a 24 de maio, estará instalada no Palazzo Giustinian Lolin, sede da Fundação Ugo e Olga Levi, junto ao Grande Canal, em Veneza, e irá dividir-se em duas partes: no primeiro andar, haverá "uma abordagem mais disciplinar dos projetos", através de desenhos, maquetes, fotografias, esquemas, de uma forma "clássica". No rés-do-chão, numa espécie de lounge de entrada, com acesso ao canal, serão instalados monitores onde serão exibidos os filmes realizados por quatro artistas convidados - André Cepeda, Catarina Mourão, Nuno Cera e Salomé Lemas - sobre os projetos arquitetónicos. Será, explica Sérgio Mah, "uma abordagem mais subjetiva e artística", com a qual se pretende não tanto descrever a arquitetura mas olhá-la "de um ponto de vista mais experiencial e vivencial, dar-lhe a dimensão do tempo" que falta das imagens.

Por sua vez, o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes aproveitou para sublinhar a projeção da arquitetura portuguesa: "A nossa arquitetura é uma realidade cultural que dá imensa grandeza e afirmação aos ao nosso país e aos nossos criadores". "Também é um fator económico, na medida em que a arquitetura tem um papel importante na criação de riqueza: produção de beleza, criação de riqueza."

A participação portuguesa na Bienal de Veneza tem um custo de 450 mil euros, revelou aos jornalista a diretora-geral das Artes, Paula Varanda. Desses, 200 mil foram atribuídos para o desenvolvimento do projeto e 250 mil são para despesas relacionadas com o aluguer do espaço e a a manutenção da exposição ao longo de seis meses. Este é um investimento da Direção-Geral das Artes, que contou com a contribuição de 15 mil euros do mecenas Milenium BCP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)