Doze edifícios públicos que resistiram a dez anos de crise

De Álvaro Siza a Bak Gordon, passando por Aires Mateus, em maio a Bienal de Veneza vai conhecer doze edifícios públicos realizados por arquitetos portugueses nos últimos dez anos.

O que têm em comum o edifício do Centro de Criação Contemporânea Olivier Debré, em Tours (França), concebido pelos arquitetos Aires Mateus e inaugurado no ano passado e o projeto do arquiteto Carlos Prata para os Molhes do Douro, gigante intervenção em betão na foz do rio Douro inaugurada em 2009?

Estes são dois dos 12 edifícios públicos concebidos por arquitetos portugueses ao longo dos últimos dez anos que integram a exposição Public Without Rhetoric, que vai estar no Pavilhão de Portugal na 16º Exposição Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza, de 26 de maio a 25 de novembro.

......................................................................................................................................................................

Lista das Obras em Veneza:

1 - Arquipélago - Centro de Artes Contemporâneas, Ribeira Grande, de João Mendes Ribeiro e Menos é Mais (Cristina Guedes e Francisco Vieira de Campos)


2 - Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo, de Inês Lobo


3 - Centro de Criação Contemporânea Olivier Debré, Tours, de Aires Mateus e Associados (Manuel Mateus e Francisco Mateus)


4 - Centro de Visitantes da Gruta das Torres, Pico, de SAMI (Inês Vieira da Silva e Miguel Vieira)


5 - Estação de Metro Município, Nápoles, de Álvaro Siza, Eduardo Souto Moura e Tiago Figueiredo
6 - Hangar Centro Náutico, Montemor-o-Velho, de Miguel Figueira
7 - I3S, Instituto de Inovação e Investigação em Saúde, Porto, de Serôdio Furtado Associados (Isabel Furtado e João Pedro Serôdio)
8 - Molhes do Douro, de Carlos Prata
9 - Parque Urbano de Albarquel, Setúbal, de Ricardo Bak Gordon
10 - Pavilhões Expositivos Temporários "Incerteza Viva: Uma exposição a partir da 32ª Bienal de São Paulo", Parque de Serralves, Porto. De depA (Carlos Azevedo, João Crisóstomo e Luís Sobral), Diogo Aguiar Studio, FAHR 021.3 (Filipa Fróis Almeida e Hugo Reis), Fala Atelier (Ana Luísa Soares, Filipe Magalhães e Ahmed Belkhodja), Ottotto (Teresa Otto)
11 - Teatro Thalia, Lisboa, de Gonçalo Byrne e Barbas Lopes Arquitectos (Diogo Seixas Lopes e Patrícia Barbas)
12 - Terminal de Cruzeiros de Lisboa, de João Luís Carrilho da Graça

......................................................................................................................................................................

Na apresentação da participação portuguesa na Bienal, ontem, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, os curadores Nuno Brandão Costa e Sérgio Mah explicaram que a ideia para esta exposição partiu da constatação de que, na última década, muito por causa da crise que se viveu no país, "desenvolveu-se uma retórica contra a construção do edifício público, visto como uma despesa acessória e nefasta". Apesar desta má-fama, diz Nuno Brandão Costa, os edifícios públicos cumprem funções importantes não só no desenvolvimento das cidades e na renovação do espaço público, como também são importantes a nível social e cultural, no modo como as pessoas se reveem nos espaços públicos e os vivem.

Entre 2007 e 2017, "apesar do brutal decréscimo" neste tipo de construção, dizem os curadores, temos "um significativo número de obras públicas de grande qualidade". Para esta exposição, escolheram 12 desses edifícios, "com características programáticas e territoriais diferentes", assim como abarcar arquitetos de várias gerações, desde os nascidos nos anos 30 aos que nasceram nos anos 80.

Assim, entre os 12 edifícios selecionados, encontramos, por exemplo, a Estação de Metro Município em Nápoles (Itália), inaugurada em 2015, e que é uma obra dos dois arquitetos portugueses que ganharam o Prémio Pritzker (Álvaro Siza, nascido em 1933, e Souto Moura, 1952) com Tiago Figueiredo (outro arquiteto do Porto, nascido em 1972). Mas também encontramos uma seleção de pavilhões expositivos temporários, criados por equipas de jovens arquitetos e com caráter efémero. E tanto podemos ter um projeto de reabilitação de um teatro (o Thalia, em Lisboa, de autoria de Gonçalo Byrne e Barbas Lopes Arquitetos) como um edifício ligado ao desporto, o Hangar Centro Náutico, em Montemor-o-Velho, criado por Miguel Figueira.

O título da exposição é inspirado no manifesto Without Rhetoric, dos arquitetos ingleses Alison e Peter Smithson (ativos entre 1955 e 1972), que mais tarde inspirou também o trabalho de Helena Webster, Modernism Without Rhetoric (1997).

A exposição, que se inaugura a 24 de maio, estará instalada no Palazzo Giustinian Lolin, sede da Fundação Ugo e Olga Levi, junto ao Grande Canal, em Veneza, e irá dividir-se em duas partes: no primeiro andar, haverá "uma abordagem mais disciplinar dos projetos", através de desenhos, maquetes, fotografias, esquemas, de uma forma "clássica". No rés-do-chão, numa espécie de lounge de entrada, com acesso ao canal, serão instalados monitores onde serão exibidos os filmes realizados por quatro artistas convidados - André Cepeda, Catarina Mourão, Nuno Cera e Salomé Lemas - sobre os projetos arquitetónicos. Será, explica Sérgio Mah, "uma abordagem mais subjetiva e artística", com a qual se pretende não tanto descrever a arquitetura mas olhá-la "de um ponto de vista mais experiencial e vivencial, dar-lhe a dimensão do tempo" que falta das imagens.

Por sua vez, o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes aproveitou para sublinhar a projeção da arquitetura portuguesa: "A nossa arquitetura é uma realidade cultural que dá imensa grandeza e afirmação aos ao nosso país e aos nossos criadores". "Também é um fator económico, na medida em que a arquitetura tem um papel importante na criação de riqueza: produção de beleza, criação de riqueza."

A participação portuguesa na Bienal de Veneza tem um custo de 450 mil euros, revelou aos jornalista a diretora-geral das Artes, Paula Varanda. Desses, 200 mil foram atribuídos para o desenvolvimento do projeto e 250 mil são para despesas relacionadas com o aluguer do espaço e a a manutenção da exposição ao longo de seis meses. Este é um investimento da Direção-Geral das Artes, que contou com a contribuição de 15 mil euros do mecenas Milenium BCP.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.