A última polémica dos filmes Disney: um deus do Pacífico obeso

Reza a lenda que Maui pescou as ilhas do Pacífico. Mas os seus feitos heroicos não impediram a Disney de o desenhar com excesso de peso. Houve quem não gostasse

O mais recente filme da Disney está ser alvo de duras críticas por apresentar uma personagem lendária das Ilhas do Pacífico como... um obeso. Maui, um dos protagonistas do filme Moana - Vaiana em Portugal - e que tem estreia prevista para o final do ano, é um herói na mitologia da Polinésia, o deus que, reza a lenda, pescou do mar as ilhas do Pacífico. Mas a forma como a personagem é retratada desagradou e originou um intenso debate na região. As redes sociais têm sido, naturalmente, palco do confronto de opiniões. Uma deputada da Nova Zelândia, Jenny Salesa, escreveu no Twitter que Maiu é "metade porco, metade hipopótamo".

Queixando-se da representação de uma figura importante para a cultura e religião polinésias como um obeso, Salesa defende que a Disney cria "um estereótipo que não é aceitável". "Se olharem para as fotografias dos homens e mulheres da Polinésia dos últimos 100-200 anos, a maior parte do nosso povo não tem excesso de peso", disse a deputada no Facebook, exibindo fotografias de algumas estrelas de cinema de Hollywood.

O jogador de rugby Eliota Fuimanono Sapolu, natural das Ilhas Samoa, também criticou a escolha da Disney. "Parece que Maui pescou as ilhas, fritou-as e comeu-as", escreveu o jogador no Facebook.

Parece que Maui pescou as ilhas, fritou-as e comeu-as

Eliota Fuimanono Sapolu criticou ainda o facto de Hollywood ter escolhido um ator da Polinésia em boa forma física para representar um deus branco no filme Hércules, ao passo que, no novo filme de animação, o deus das ilhas é obeso. "Pessoas brancas a contar histórias de pessoas brancas contra pessoas brancas a contar histórias de pessoas da Polinésia", escreveu o jogador.

Will Ilolahia, da Associação de Media das Ilhas do Pacífico, afirma que a versão de Maui não encaixa com os contos passados de geração em geração no Pacífico. "Ele é descrito como uma pessoa forte, magnífica e com uma natureza divina", afirmou numa entrevista a um jornal local. "A representação de Maui como obeso é um típico estereótipo americano", cita o The Guardian.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, nove das 10 nações mais obesas do mundo em 2014 estavam nas Ilhas do Pacífico. Will Ilolahia afirmou, no entanto, que a obesidade "é um novo fenómeno" na área.

Nem todos os polinésios estão contra esta representação de Maui, no entanto. Isoa Kavakimotu, da Nova Zelândia, afirmou que o Maui é importante pelo poder que tem e não pela aparência.

Num vídeo publicado no YouTube, Kavakimotu criticou o excesso de importância dada ao aspeto físico da personagem e afirma que nem todos têm de ser tão musculados como Dwayne Johnson, o ator que dá a voz a Maui.

Já Michael Mulipola, um artista de Samoa, tentou mostrar como o desenho de Maui condensa as características da personalidade da personagem, a sua faceta divertido mas, simultaneamente, poderosa.

Maui foi desenhado com a parte superior do corpo maior do que a inferior, por exemplo, para ter um ar mais cómico: por ser na história o aliado da heroína, e não o herói principal, tem peito e braços grandes mas poucos definidos, para evidenciar a força em detrimento da estética.

"A história não é sobre Maui. É por isso que o título do filme é Moana, e não Maui", escreveu o artista no Facebook, explicando que Maui é apenas o amigo engraçado da personagem principal.

O primeiro trailer do filme da Disney foi apresentado este mês e começa justamente por descrever os feitos da personagem lendária de Maui.

Realizado por Ron Clements e John Musker, Vaiana tem estreia em Portugal marcada para novembro deste ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...