Disney confirma sequelas de "Maléfica", "O Livro da Selva" e a nova versão de Mary Poppins

Emma Stone interpretará Cruella De Vil, Emily Blunt será Mary Poppins e Angelina Jolie regressa no papel de Maléfica. No total serão nove os filmes que a Casa do Mickey quer estrear.

Angelina Jolie irá regressar ao papel de Maléfica, anunciou hoje a Disney, confirmando que irá fazer ainda mais oito filmes em formato live-action.

Depois dos recentes sucessos de O Livro da Selva, que em dez dias já conta com quase 500 milhões de receitas de bilheteiras, e de Star Wars, a Walt Disney anunciou, sem adiantar datas, que está a preparar nove filmes, baseados no seu catálogo de animações clássicas.

Ainda sem grandes detalhes, sabe-se para já que Angelina Jolie irá repetir o seu papel como Maléfica, a bruxa-má do conto da Bela Adormecida, na sequela do filme Maléfica, lançado em 2014 e que foi o quarto filme mais visto desse ano. Confirmado está também Jon Favreou, o realizador de O Livro da Selva, que voltará para realizar a segunda parte do conto de Mogli, o menino que foi criado por lobos.

Por sua vez, a atriz Emma Stone está confirmada para representar o papel de Cruella de Vil, a vilã do filme Os 101 Dálmatas, que no passado chegou a ser interpretado por Glenn Close. Outra das novidades é o regresso da famosa ama Mary Poppins. Depois do primeiro filme, lançado em 1964 e que contou com Julie Andrews e Dick Van Dyke nos principais papéis, é agora a vez de Emily Blunt e Lin-Manuel Miranda serem as estrelas desta continuação.

Para além destes quatro filmes, foram também confirmados o filme de Dumbo, realizado por Tim Burton, um filme sobre a eterna amiga de Peter Pan, Sininho, interpretado por Reese Witherspoon e que ainda não tem título definido, e finalmente Wrinkle in Time, uma adaptação de um conto de fadas sobre uma menina que procura o seu pai numa viagem pelo tempo e pelo espaço.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...