Dia 2 da Eurovisão. Monstros, fogo e ensaios ao cronómetro

A finlandesa Saara Aalto tem sido uma das concorrentes com mais visibilidade desta edição e o Fuego cipriota de Eleni Foureria "já é um êxito". O calendário é cumprido quase ao segundo

"Sou jurada do X Factor, ontem estive na gala e cantei a minha canção, Monsters e cheguei esta manhã". A cantora finlandesa Saara Aalto não teve tempo de tomar o pulso à cidade. Saiu do aeroporto para o Altice Arena onde esta segunda-feira cumpriu o seu primeiro dia do calendário desenhado para a Eurovisão para que tudo esteja a postos para as semifinais e final do concurso, a 8, 10 e 12 de maio.

Foi também o contacto com a peça elevatória que faz parte do seu número na Eurovisão. "Foi produzida em Portugal e foi a primeira vez que realmente ensaiei nela. Estava muito nervosa", explicou ao DN, numa curta conversa depois de ter cumprido o calendário do dia: auricular, palco, maquilhagem e encontros com fãs. Admite, sem rodeios. "Nem tudo correu bem. Mas vamos arranjar e na quinta-feira vai estar tudo bem". É nesse dia que a delegação da Finlândia, como os outros países da primeira semifinal, regressa ao Altice Arena.

"Tenho tido boa reação das pessoas, o que me dá confiança", garante. No centro de imprensa, carregada de eurofãs, fez-se atenção para o momento em que Saara Alto, 30 anos, atuaria pela primeira vez. Um bruá percorreu a sala perante um problema técnico que tirou a imagem do ecrã gigante por minutos.

Eleni Foureira, grega a representar o Chipre, tem uma canção chamada Fuego, outro dos ensaios seguidos com mais atenção pelos fãs. Tem coreografia, tem o cabelo longo da artista, um vestido brilhante, fumo, luzes... "No próximo ano trago uma balada", riu-se a artista. "As pessoas não imaginam a dificuldade de cantar e dançar durante três minutos."

"Sabe que é uma das favoritas dos fãs?", perguntam-lhe nesses 30 minutos que ela concede aos seguidores da Eurovisão. "Sinto-me nervosa mas não pela posição. Não vim para ganhar ou ser top 10 ou top 5, embora queira entrar nesse grupo. Quero que gostem da minha canção e que seja um dos grandes êxitos deste ano", declarou na conferência de imprensa, já sem o seu vestido brilhante, mas com umas botas encarnadas altas igualmente chamativas - com a palavra fuego. "Já é um êxito", assegurou-lhe outro seguidor. A canção tem vindo a escalar posições na lista das preferidas do Eurovision World e ontem estava em 9.º lugar.

São muito técnicos os primeiros ensaios para todas as delegações. Que o diga a Macedónia, a quem coube abrir os trabalhos ontem. A banda chama-se Eye Cue e às 08.40 fazia o seu registo no recinto da Eurovisão. Durante o ensaio cantaram apenas uma vez, em lugar das três que acontecem na maioria dos casos. "Éramos como marionetas. Só ouvimos. Fizemos o posicionamento e a produção tentou jogar com as câmaras. O ensaio foi, em parte, para a produção", disse Bojan Trajkovski, cantor e guitarrista do duo.

Dez delegações cruzaram-se esta segunda-feira no Altice Arena, um ecossistema particular onde o inglês é língua oficial. Para lá da Finlândia e da Macedónia, Croácia, Áustria, Grécia, Arménia, Suíça, Irlanda e Chipre estiveram no recinto onde tudo se vai jogar na semifinal de 8 de maio.

A Sala Tejo foi transformada num delegation bubble, a bolha das delegações, a base de cada país concorrente enquanto dura o evento. O primeiro de todos os ensaios é de reconhecimento. Da sala, do ambiente, do território. 30 minutos são dedicados ao que se chama In-Ear Monitoring Rehearsal, onde se testa o dispositivo que vemos nos ouvidos cantores. É o que eles ouvem durante a canção que fica decidido neste momento. Dura 30 minutos, a que se segue um período de 15 minutos nos bastidores.

Para os concorrentes, a prova de fogo são os 30 minutos e ensaio em palco que cada país tem para ensaiar a canção de três minutos. É o tempo regulamentar estipulado pela European Broadcasting Union (EBU) para cada uma. Seguem-se mais 20 minutos de visionamento e outros 20 na maquilhagem, antes dos contactos com a imprensa e os fãs. Os dias começam às 09.00 e terminam às 20.00 e hoje, 1 de maio, começam a ensaiar os países que vão estar na 2.ª semifinal, a 10 de maio.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?