Dia 2 da Eurovisão. Monstros, fogo e ensaios ao cronómetro

A finlandesa Saara Aalto tem sido uma das concorrentes com mais visibilidade desta edição e o Fuego cipriota de Eleni Foureria "já é um êxito". O calendário é cumprido quase ao segundo

"Sou jurada do X Factor, ontem estive na gala e cantei a minha canção, Monsters e cheguei esta manhã". A cantora finlandesa Saara Aalto não teve tempo de tomar o pulso à cidade. Saiu do aeroporto para o Altice Arena onde esta segunda-feira cumpriu o seu primeiro dia do calendário desenhado para a Eurovisão para que tudo esteja a postos para as semifinais e final do concurso, a 8, 10 e 12 de maio.

Foi também o contacto com a peça elevatória que faz parte do seu número na Eurovisão. "Foi produzida em Portugal e foi a primeira vez que realmente ensaiei nela. Estava muito nervosa", explicou ao DN, numa curta conversa depois de ter cumprido o calendário do dia: auricular, palco, maquilhagem e encontros com fãs. Admite, sem rodeios. "Nem tudo correu bem. Mas vamos arranjar e na quinta-feira vai estar tudo bem". É nesse dia que a delegação da Finlândia, como os outros países da primeira semifinal, regressa ao Altice Arena.

"Tenho tido boa reação das pessoas, o que me dá confiança", garante. No centro de imprensa, carregada de eurofãs, fez-se atenção para o momento em que Saara Alto, 30 anos, atuaria pela primeira vez. Um bruá percorreu a sala perante um problema técnico que tirou a imagem do ecrã gigante por minutos.

Eleni Foureira, grega a representar o Chipre, tem uma canção chamada Fuego, outro dos ensaios seguidos com mais atenção pelos fãs. Tem coreografia, tem o cabelo longo da artista, um vestido brilhante, fumo, luzes... "No próximo ano trago uma balada", riu-se a artista. "As pessoas não imaginam a dificuldade de cantar e dançar durante três minutos."

"Sabe que é uma das favoritas dos fãs?", perguntam-lhe nesses 30 minutos que ela concede aos seguidores da Eurovisão. "Sinto-me nervosa mas não pela posição. Não vim para ganhar ou ser top 10 ou top 5, embora queira entrar nesse grupo. Quero que gostem da minha canção e que seja um dos grandes êxitos deste ano", declarou na conferência de imprensa, já sem o seu vestido brilhante, mas com umas botas encarnadas altas igualmente chamativas - com a palavra fuego. "Já é um êxito", assegurou-lhe outro seguidor. A canção tem vindo a escalar posições na lista das preferidas do Eurovision World e ontem estava em 9.º lugar.

São muito técnicos os primeiros ensaios para todas as delegações. Que o diga a Macedónia, a quem coube abrir os trabalhos ontem. A banda chama-se Eye Cue e às 08.40 fazia o seu registo no recinto da Eurovisão. Durante o ensaio cantaram apenas uma vez, em lugar das três que acontecem na maioria dos casos. "Éramos como marionetas. Só ouvimos. Fizemos o posicionamento e a produção tentou jogar com as câmaras. O ensaio foi, em parte, para a produção", disse Bojan Trajkovski, cantor e guitarrista do duo.

Dez delegações cruzaram-se esta segunda-feira no Altice Arena, um ecossistema particular onde o inglês é língua oficial. Para lá da Finlândia e da Macedónia, Croácia, Áustria, Grécia, Arménia, Suíça, Irlanda e Chipre estiveram no recinto onde tudo se vai jogar na semifinal de 8 de maio.

A Sala Tejo foi transformada num delegation bubble, a bolha das delegações, a base de cada país concorrente enquanto dura o evento. O primeiro de todos os ensaios é de reconhecimento. Da sala, do ambiente, do território. 30 minutos são dedicados ao que se chama In-Ear Monitoring Rehearsal, onde se testa o dispositivo que vemos nos ouvidos cantores. É o que eles ouvem durante a canção que fica decidido neste momento. Dura 30 minutos, a que se segue um período de 15 minutos nos bastidores.

Para os concorrentes, a prova de fogo são os 30 minutos e ensaio em palco que cada país tem para ensaiar a canção de três minutos. É o tempo regulamentar estipulado pela European Broadcasting Union (EBU) para cada uma. Seguem-se mais 20 minutos de visionamento e outros 20 na maquilhagem, antes dos contactos com a imprensa e os fãs. Os dias começam às 09.00 e terminam às 20.00 e hoje, 1 de maio, começam a ensaiar os países que vão estar na 2.ª semifinal, a 10 de maio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)