DGPC investe 65 200 na compra de cinco obras

Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) adquire quatro fotografias para o Museu do Chiado e uma escultura para o Museu de Etnologia.

A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) decidiu adquirir cinco obras que vão reforçar as coleções de dois museus nacionais, o de Arte Contemporânea e o de Etnologia.

No caso do Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC), foram adquiridas quatro fotografias da coleção de Isabel Vaz Lopes, "no valor total de 35 200 euros", refere uma nota enviada pela DGPC à comunicação social.

"Esta decisão surge na sequência de uma proposta de aquisição apresentada pelo Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC) no passado dia 18 de outubro, referente a um total de seis obras da coleção privada de Isabel Vaz Lopes, que ali se encontra depositada", explica o comunicado.

Duas peças da série Shelter, de Augusto Alves da Silva, uma da série S/T de José Luís Neto e Full Moon, de Júlia Ventura são as peças adquiridas, especifica ainda o comunicado.

Para além das quatro obras compradas para o MNAC, o organimos liderado pela arquiteta Paula Silva noticiou uma outra aquisição. "No quadro da política da DGPC de incorporação nos Museus Nacionais vai ser adquirida, pelo valor de 30 mil euros, a escultura Discípulo escutando Buda (Myanmar, séc. XVIII/XIX), que integra a coleção de Victor Bandeira confiada ao Museu Nacional de Etnologia".

"Esta obra de caráter religioso integra a exposição De Regresso à Luz. Esculturas orientais em depósito da Coleção de Victor Bandeira, patente no Museu de Etnologia de 13 de outubro a 11 de fevereiro de 2018", refere o mesmo comunicado

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.