DGArtes atribuiu apoio a 21 estruturas ligadas à dança para 2018-2021

Vinte e uma entidades culturais ligadas à dança vão receber apoio financeiro até 2021, num total de 5,9 milhões de euros, e três outras candidaturas foram chumbadas, segundo a lista divulgada pela Direção-Geral das Artes (DGArtes).

De acordo com os resultados finais do programa de apoio à dança 2018-2021, nas modalidades de apoio bienal e quadrienal, foram admitidas 24 candidaturas, das quais três tiveram apoio recusado: O Quórum Ballet, a Associação Companhia Portuguesa de Bailado Contemporâneo e a Sociedade Artística Reguenguense.

Segundo a DGartes, a maioria fatia de estruturas apoiadas - nove - está localizada na área metropolitana de Lisboa, entre as quais as companhias de dança de Clara Andermatt e de Olga Roriz, a Companhia de Dança de Almada, o Fórum Dança e O Rumo do Fumo.

Das 21 estruturas culturais a apoiar, seis são da região norte, como o Ballet Contemporâneo do Norte e a Útero Associação Cultural, e três são da região centro, entre as quais a Companhia Paulo Ribeiro.

Do Alentejo são apoiadas a Companhia de Dança Contemporânea de Évora e a associação PedeXumbo e da Madeira a Associação dos Amigos da Arte Inclusiva - Dançando com a Diferença.

Neste programa de apoio sustentado 2018-2021, a área da dança terá um montante global de 5,9 milhões de euros (5.995.530 euros), dos quais 1,7 milhões de euros se destinam a este ano.

Com 926 mil euros, a Associação Cultural Materiais Diversos é a entidade cultural que receberá, globalmente, a maior verba nestes apoios à dança, seguindo-se a Companhia Olga Roriz (566 mil euros) e a Eira (507 mil euros).

O Programa de Apoio Sustentado às Artes 2018-2021 - que financia grande parte da atividade artística em Portugal - abriu em outubro e tem um valor global de 64,5 milhões de euros para apoiar circo contemporâneo e artes de rua, dança, artes visuais, cruzamentos disciplinares, música e teatro.

Até agora foram apenas anunciados os resultados de apoio a estruturas de circo contemporâneo e artes de rua e os da dança.

O calendário publicado pela DGArtes aponta as decisões finais para um período que vai da segunda semana de março, nas áreas com menos de dez candidaturas, até à primeira semana de maio, em áreas com mais candidaturas, o que abrange o teatro, com um total de 90.

Nas últimas semanas várias estruturas culturais, em particular ligadas ao teatro, e sindicatos do setor têm criticado a demora e a burocracia na divulgação dos resultados, com consequências para o funcionamento e para o planeamento de programações para este ano.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.