Artistas trouxeram garantias de revisão do modelo de apoio de reunião com Costa

Um dos participantes na reunião da comissão informal de artistas com o primeiro-ministro, disse ao jornalistas que foram dadas garantias de revisão do modelo de apoio às artes, no âmbito de um trabalho concertado com a tutela.

O encenador Bruno Bravo, da comissão informal, que hoje se reuniu durante mais de duas horas com o primeiro-ministro, António Costa, na residência oficial, em Lisboa, afirmou que lhes foram dadas garantias de que se "vai iniciar um trabalho concertado com os agentes artísticos e a tutela, com vista à revisão do modelo de apoio às artes".

"Saímos da reunião com a garantia do primeiro-ministro, de que se vai iniciar um trabalho concertado com a tutela e agentes artísticos, a fim de se rever o modelo de apoio às artes", disse o encenador que pertence à companhia Primeiros Sintomas.

Para tal, acrescentou Bruno Bravo, "é necessário que termine o período de audiências prévias [na sexta-feira], para depois se iniciar este diálogo".

José Luís Ferreira, que esteve na reunião em representação de agentes artísticos do Porto, afirmou, por seu turno, que saíram "convictos, de que haverá, a partir de agora, um olhar diferente para as políticas culturais".

"Não é só a revisão do modelo que está em causa, é toda uma política para a cultura", reforçou José Luís Ferreira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...