Artistas obtêm de Costa compromisso para correção de falhas nos concursos

O representante da estrutura artística Plateia disse hoje que o primeiro-ministro se comprometeu a "encontrar soluções para corrigir falhas no concurso de apoios às artes", que motivou os protestos dos artistas, no início do mês.

Em declarações aos jornalistas, no final de reunião hoje, em Lisboa, com o primeiro-ministro, que durou quase três horas, o representante da Plateia - Profissionais Artes Cénicas, Carlos Costa, disse que as estruturas sublinharam a importância de se avançar com "uma política integrada da cultura".

"O primeiro-ministro reconheceu que há uma suborçamentação no apoio à criação artística e uma suborçamentação da cultura em geral", disse o representante daquela associação de profissionais.

Questionado sobre se tinham conseguido obter um compromisso sobre o objetivo de 1% do Orçamento do Estado, na dotação para a Cultura, o representante da Plateia disse que o primeiro-ministro lhes transmitiu a possibilidade de um crescimento das verbas para a cultura, no próximo Orçamento, embora sem atingir 1%.

O representante do Sindicato dos Trabalhadores de Espetáculos, do Audiovisual e dos Músicos (Cena-STE), André Albuquerque, por seu turno, mostrou-se satisfeito com a reunião, e afirmou: "Não é todos os dias que organizações da cultura são recebidas pelo primeiro-ministro".

"Esperamos agora por atitudes concretas, nomeadamente de legislação, verbas e soluções que tenham a ver com o reconhecimento da necessidade de alterar este modelo".

Na reunião de hoje com António Costa participaram, além dos representantes do Cena-STE e da Plateia, Tânia Guerreiro, pela Rede - Associação de Estruturas para a Dança Contemporânea, Pedro Penilo, pelo Manifesto em Defesa da Cultura, e Ana Cristina Vicente, pela Performart, associação que congrega instituições como os três teatros nacionais --- São Carlos, D. Maria II e São João ---, as fundações de Serralves e do Centro Cultural de Belém, o Teatro Viriato e o Teatro do Bolhão, entre outras entidades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.