Devaneios eróticos de Houellebecq em sessões contínuas

Lanzarote é o título de Michel Houellebecq que abre o ano da literatura francesa no nosso país. Um devaneio erótico numa centena de páginas.

A lista de obras do autor e provocador francês Michel Houellebecq é muito grande e vai dos ensaios às novelas, dos romances à poesia... Aliás, é neste último campo que se pode encontrar uma espécie de itinerário biográfico que resume o escritor ao lerem-se os títulos que deu aos livros com os seus poem(inh)as em 1988 e 1999: Qualquer coisa em mim, A busca da felicidade, Da diferença, A pele, O sentido do combate, Ficar vivo e Renascença. Mesmo que entretanto tenha lançado dois dos seus mais interessantes romances, Extensão do domínio da luta (1994) e Partículas elementares (1998), e antes deste Lanzarote (2000), outro também fundamental, Plataforma (2001).

Antes de mais fica o aviso de que Lanzarote não é apenas uma história mas meia dúzia delas, situação para a qual o leitor não é avisado, sendo que é a narrativa que tem o nome da ilha das Canárias a que tem mais fôlego: 54 páginas. As outras 31 páginas contêm outras histórias, que ao leitor embalado pelos devaneios eróticos de Houellebecq, vão surgindo como continuidade de Lanzarote e, só lá para o fim, é que se dá conta de que aquela novela acabara há algum tempo.

Pode dizer-se que Lanzarote é um devaneio erótico com pouca profundidade, daí que se leia de uma vez só. Não tem a dimensão normal a que Houellebecq nos acostumou nos seus romances anteriores e posteriores - cada vez menores, diga-se -, mas não deixa de ser muito curioso, quanto mais não seja enquanto introdução a um dos poucos atuais autores franceses que convidam à leitura.

Não se podendo dizer que Houellebecq seja uma pessoa sã da cabeça, ou pelo menos as suas performances públicas assim o fazem parecer, contudo a nível literário o senhor esmera-se na inventividade e o leitor sai sempre satisfeito com a bibliografia disponível. A sua temática de eleição é, pode-se dizer sem sombra de dúvida, uma única só: sexo. No entanto, para não ser apenas ordinário em extraordinárias descrições de cenas de sexo que envolvem homens de meia-idade com jovens, lésbicas e mulheres ansiosas por uma relação, Houellebecq encontra cenários diferentes para cada livro. Ou, poder-se-ia antes dizer, cenários onde o sexo se disfarça como protagonista do livro.

Fazendo jus a esta capacidade, é claro que a escrita de Lanzarote representou para o autor apenas um aquecer dos motores para escrever Plataforma, um romance onde se trata principalmente do turismo sexual a oriente. Em Lanzarote não há turismo sexual, aliás a sua caracterização da ilha é a de que não há quase nada para o turista ocupar os dias, daí encher metade do livro a tratar da atividade física de eleição.

Parece que só lá para o final é que o autor descobre que está ausente a estrutura narrativa e coloca como que acidentalmente os adeptos da seita Rael à frente do protagonista. A partir daí, já tem como dar um fim à novela e de forma bastante inesperada. O mais curioso é que também neste livro, tal como em A Submissão - que coincidiu no tempo e no tema com o atentado ao Charlie Hebdo -, Houellebecq tem um bom nariz para farejar os acontecimentos que vão marcar a atualidade e antecipou certos escândalos que irão abalar a Europa nos meses que se seguem à publicação dos seus livros.

Quanto às outras histórias, o tema do sexo volta em grande, o que permite em Cléopâtre 2000 nova grande ordinarice na descrição de uma praia naturista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Benefícios fiscais para quê e para quem

São mais de 500 os benefícios fiscais existentes em Portugal. Esta é uma das conclusões do relatório do Grupo de Trabalho para o Estudo dos Benefícios Fiscais (GTEBF), tornado público na semana passada. O número impressiona por uma razão óbvia: um benefício fiscal é uma excepção às regras gerais sobre o pagamento de impostos. Meio milhar de casos soa mais a regra do que a excepção. Mas este é apenas um dos alertas que emergem do documento.

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la no ensino superior

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.