"Deserto/Nuvem" vence o Prémio para o Melhor Álbum Português

O livro "Deserto/Nuvem", de Francisco Sousa Lobo, venceu o Prémio para o Melhor Álbum Português no âmbito dos Prémios Nacionais de Banda Desenhada, foi hoje divulgado no 28.º festival AmadoraBD, que termina no dia 12.

Francisco Sousa Lobo foi ainda distinguido com os prémios nacionais de Melhor Argumento para Álbum Português, também por "Deserto/Nuvem" e o de Melhor Álbum de Autor Português em Língua Estrangeira, pelo título "It's no Longer I That Liveth".

O Prémio Nacional para o Melhor Álbum de Autor Estrangeiro foi para "Os Ignorantes", do francês Étienne Davodeau, e "Conversas com os Putos", de Álvaro, venceu o Melhor Álbum de Tiras Humorísticas.

O Prémio Nacional de Banda Desenhada para o Melhor Desenho foi para a ilustradora Amanda Baeza, pelo álbum "Bruma", enquanto o Prémio para o Melhor Ilustrador Português de Livro Infantil foi para Tiago Albuquerque e Nadia Albuquerque, pelo álbum "Sou o Lince Ibérico", e Jimmy Liao, natural de Taipé, Taiwan, recebeu o Prémio para o Melhor Ilustrador Estrangeiro de Livro Infantil, pelo álbum "Noite Estrelada".

O Prémio Nacional de BD Clássicos da 9.ª Arte, relativo a uma edição original há mais de dez anos, foi arrebatado por "Ronin", de Frank Miller, e o Prémio para o Melhor Fanzine foi para "Outro Mundo Ultra Tumba", de Rufolfo Mariano.

O júri foi constituído por Nelson Dona, diretor da AmadoraBD, Pedro Moura, argumentista, Sandy Gageiro, jornalista, Leonel Santos e Nuno Saraiva, autores de Banda Desenhada, e destacou, "pela qualidade das coletâneas", "O Mundo de Garfield (1978-1983)", de Jim Davis, e a coleção "Sandman", de Neil Gaiman.

O AmadoraBD, organizado pela Câmara Municipal da Amadora, cumpre a 28.ª edição até 12 de novembro com exposições, lançamentos editoriais e a presença de autores portugueses e estrangeiros de banda desenhada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.