"Deserto/Nuvem" vence o Prémio para o Melhor Álbum Português

O livro "Deserto/Nuvem", de Francisco Sousa Lobo, venceu o Prémio para o Melhor Álbum Português no âmbito dos Prémios Nacionais de Banda Desenhada, foi hoje divulgado no 28.º festival AmadoraBD, que termina no dia 12.

Francisco Sousa Lobo foi ainda distinguido com os prémios nacionais de Melhor Argumento para Álbum Português, também por "Deserto/Nuvem" e o de Melhor Álbum de Autor Português em Língua Estrangeira, pelo título "It's no Longer I That Liveth".

O Prémio Nacional para o Melhor Álbum de Autor Estrangeiro foi para "Os Ignorantes", do francês Étienne Davodeau, e "Conversas com os Putos", de Álvaro, venceu o Melhor Álbum de Tiras Humorísticas.

O Prémio Nacional de Banda Desenhada para o Melhor Desenho foi para a ilustradora Amanda Baeza, pelo álbum "Bruma", enquanto o Prémio para o Melhor Ilustrador Português de Livro Infantil foi para Tiago Albuquerque e Nadia Albuquerque, pelo álbum "Sou o Lince Ibérico", e Jimmy Liao, natural de Taipé, Taiwan, recebeu o Prémio para o Melhor Ilustrador Estrangeiro de Livro Infantil, pelo álbum "Noite Estrelada".

O Prémio Nacional de BD Clássicos da 9.ª Arte, relativo a uma edição original há mais de dez anos, foi arrebatado por "Ronin", de Frank Miller, e o Prémio para o Melhor Fanzine foi para "Outro Mundo Ultra Tumba", de Rufolfo Mariano.

O júri foi constituído por Nelson Dona, diretor da AmadoraBD, Pedro Moura, argumentista, Sandy Gageiro, jornalista, Leonel Santos e Nuno Saraiva, autores de Banda Desenhada, e destacou, "pela qualidade das coletâneas", "O Mundo de Garfield (1978-1983)", de Jim Davis, e a coleção "Sandman", de Neil Gaiman.

O AmadoraBD, organizado pela Câmara Municipal da Amadora, cumpre a 28.ª edição até 12 de novembro com exposições, lançamentos editoriais e a presença de autores portugueses e estrangeiros de banda desenhada.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".