Desenhos inéditos de Domingos Sequeira chegam ao mercado

Um conjunto de desenhos inéditos do pintor do momento em que chega a Portugal, após a sua formação em Roma, e o momento em que é designado artista régio vão poder ser vistos - e comprados - na Feira de Arte e Antiguidades que acontece na Cordoaria Nacional, em Lisboa, entre 7 e 15 de maio.

Um conjunto inédito de 51 desenhos de Domingos Sequeira (1768-1837) arrisca-se a ser a estrela da próxima Feira de Artes e Antiguidades, entre 7 e 15 de maio. Pertence ao pintor de quem mais se fala por estes dias, depois de confirmada a aquisição de A Adoração dos Magos de Domingos Sequeira para o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, e nunca foram mostrados ao público. Até agora.

A história é contada pelo antiquário Álvaro Roquette, em Paris, onde tem uma parte do seu negócio, em sociedade com Pedro Aguiar-Branco (e vende por estes dias uma obra de Amadeo de Souza-Cardoso, que estava até agora na coleção Jorge de Brito). Este é um álbum de que poucos sabiam da existência até meados do século XX.

"Em 1956 foi editado um fac-símile pelo Instituto de Alta Cultura, pelo que não são conhecidos fisicamente", explica o antiquário, ao telefone com o DN, de Paris. Eis, portanto, a questão: o conjunto é conhecido pelos especialistas, mas mesmo para estes esteve sempre longe de poder ser visto (e investigado).

Álvaro Roquette diz que o seu trabalho, e o de Pedro Aguiar-Branco, é esse: encontrar estas peças. "Andamos sempre à procura de coisas escondidas. Somos como detetives." Foi Pedro Aguiar-Branco quem se cruzou com este álbum - o Álbum do Palácio de Arroios.

Há cinco anos que namoram este álbum ao seu proprietário, herdeiro do título de marquês de Funchal e descendente do primeiro-conde de Linhares, D. Rodrigo Domingos António de Sousa Coutinho (1745-1812), o homem que compilou estes desenhos, realizados, na sua maioria, no seu palácio, o Palácio de Arroios.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.