Desenho de Klimt desaparecido foi devolvido por herdeiros de secretária de museu

Desenho desaparecido há décadas na Áustria tinha sido levado por uma secretária que pediu em testamento que a obra fosse restituída

Um desenho do pintor austríaco Gustav Klimt (1862-1918), desaparecido de uma coleção pública há várias décadas, foi restituído pelos herdeiros de uma empregada de museu que o tinha roubado e escondido num armário, anunciaram hoje as autoridades.

O desenho "Zwei Liegende" ("Duas mulheres deitadas") faz parte de um lote de quatro obras de Klimt e do colega Egon Schiele que tinha sido emprestada ao museu municipal de Linz por uma artista local, Olga Jager, que morreu em 1965.

Quando os herdeiros de Jager pediram a restituição das obras em 1990, a direção do museu apercebeu-se de que lhes tinha perdido o rasto.

O município de Linz, uma cidade de tipo industrial do norte da Áustria, foi condenado em 2006 a pagar 8,3 milhões de euros de indemnização aos herdeiros de Olga Jager, um valor que foi contestado pelo município, alegando que o caso tinha prescrito.

Em meados de janeiro deste ano um dos desenhos foi restituído, anunciou o presidente da Câmara de Linz, Klaus Luger, numa conferência de imprensa.

Este desenho tinha sido levado por uma secretária do museu que se reformou em 1977, que depois o escondeu num armário quando se apercebeu que estava a ser procurado.

Em dezembro, a secretária morreu mas pedia no testamento para que a obra fosse restituída ao museu, assegurando que a mesma lhe tinha sido oferecida pelo diretor da época.

"O aparecimento deste desenho dá-nos a esperança que os outros três também possam vir a ser encontrados", indicou o presidente do município num comunicado.

As três obras de Egon Schiele (1890-1918) são uma aguarela "Jovem homem", um desenho "Casal" e um óleo "Tote Stadt" ("Cidade morta"), a qual foi avaliada pela justiça em cerca de 7,5 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.