Desenho de Klimt desaparecido foi devolvido por herdeiros de secretária de museu

Desenho desaparecido há décadas na Áustria tinha sido levado por uma secretária que pediu em testamento que a obra fosse restituída

Um desenho do pintor austríaco Gustav Klimt (1862-1918), desaparecido de uma coleção pública há várias décadas, foi restituído pelos herdeiros de uma empregada de museu que o tinha roubado e escondido num armário, anunciaram hoje as autoridades.

O desenho "Zwei Liegende" ("Duas mulheres deitadas") faz parte de um lote de quatro obras de Klimt e do colega Egon Schiele que tinha sido emprestada ao museu municipal de Linz por uma artista local, Olga Jager, que morreu em 1965.

Quando os herdeiros de Jager pediram a restituição das obras em 1990, a direção do museu apercebeu-se de que lhes tinha perdido o rasto.

O município de Linz, uma cidade de tipo industrial do norte da Áustria, foi condenado em 2006 a pagar 8,3 milhões de euros de indemnização aos herdeiros de Olga Jager, um valor que foi contestado pelo município, alegando que o caso tinha prescrito.

Em meados de janeiro deste ano um dos desenhos foi restituído, anunciou o presidente da Câmara de Linz, Klaus Luger, numa conferência de imprensa.

Este desenho tinha sido levado por uma secretária do museu que se reformou em 1977, que depois o escondeu num armário quando se apercebeu que estava a ser procurado.

Em dezembro, a secretária morreu mas pedia no testamento para que a obra fosse restituída ao museu, assegurando que a mesma lhe tinha sido oferecida pelo diretor da época.

"O aparecimento deste desenho dá-nos a esperança que os outros três também possam vir a ser encontrados", indicou o presidente do município num comunicado.

As três obras de Egon Schiele (1890-1918) são uma aguarela "Jovem homem", um desenho "Casal" e um óleo "Tote Stadt" ("Cidade morta"), a qual foi avaliada pela justiça em cerca de 7,5 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.