"Desculpem o meu inglês, mas acabei de ganhar a Eurovisão"

Netta, emocionada, elogia outros concorrentes, incluindo Eleni Foureira do Chipre, que ficou em segundo lugar

A vencedora da Eurovisão começou por comentar a sua quebra nas sondagens para vencer, depois de ter chegado a Lisboa como a favorita. "Comparar entre músicos e estilos é peculiar. Sempre disse que quando era a favorita e Eleni [Foureira, do Chipre] também sempre disse que estava a competir comigo, fiquei nervosa com a minha performance.

A meio a cantora interrompeu a resposta para pedir desculpa: "Desculpem o meu inglês, mas acabei de ganhar a Eurovisão."

"Todos fizeram um espetáculo grande hoje, incluindo Eleni. Mas alguém tinha de ganhar", acrescentou.

Netta cantou a música "Toy" que apoia o movimento #MeToo. E descreveu como sente a vitória: "Escolher 2018, algo diferente, estou orgulhosa de levar este evento mágico para Israel."

A sua performance única com um looper é uma forma que Netta encontrou de fazer as "coisas de forma diferente". "Antes de mim ninguém fazia o que faço em horário nobre e se a minha versão mais jovem me visse na televisão, saberia que há uma alternativa."

A cantora de 25 anos disse ainda que no momento em que soube que tinha ganhado viu tudo negro e seis homens ansiosos à sua volta.

Houve referências ao prémio LGBT que ganhou, pelo seu papel como apoiante da comunidade. "Respeito-os a todos. A uma grande maioria da minha equipa é parte da comunidade, e eu respeito-os. Não sou nada sem eles. Vou estar na próxima Pride Parade, Love Parede de Telavive."

Num tom animado, Netta disse que ia fazer "humus" quando chegasse a casa.

Netta cantou o anel que era da avó e que era suposto receber apenas quando casasse, mas como isso é "algo que não vai acontecer tão cedo", o pai da cantora antecipou o presente. "Deu-me força em palco", sublinha.

"Vamos ter com amigos israelitas que vieram até aqui para nos apoiarem." É o que segue nas celebrações de Netta.

A israelita foi ainda confrontada com o encontro com Salvador Sobral, que criticou a sua música durante a semana. "Senti que ele me respeita. Ele deu-me o microfone e apenas lhe desejo amor."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.