Descoberto em Paris quadro de Edgar Degas roubado em 2009

Um quadro do século XIX do artista Edgar Degas, roubado no final de 2009, em Marselha, intitulado "As Coristas", foi descoberto pelas autoridades aduaneiras na região de Paris, anunciou hoje o ministério francês da Cultura.

A tela - propriedade do Museu d'Orsay, na capital francesa - foi encontrada na bagageira de um autocarro na região parisiense e tinha desaparecido a 31 de dezembro de 2009, no Museu Cantini, em Marselha, onde estava emprestado para uma exposição.

Quando a polícia fez um controlo no autocarro, a tela, com a assinatura Degas - pintor impressionista francês (1834-1917) - foi descoberta numa mala, mas ninguém se deu como proprietário, segundo um comunicado oficial.

Os especialistas conseguiram apurar que se trata do quadro pertencente ao Museu d´Orsay, parte das coleções nacionais, cujo desaparecimento representava "uma perda significativa para o património impressionista francês", comentou a ministra da Cultura, Françoise Nyssen, manifestando grande contentamento pela recuperação.

Quando se deu pelo desaparecimento, em 2009, as entidades oficiais tinham afirmado que a obra datada de 1877 valia cerca de 800 mil euros, mas o museu de Marselha apontava para 30 milhões de euros, sem que as autoridades tenham querido confirmar os valores, justificando estarem relacionados com seguros.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.