Descoberto em Paris quadro de Edgar Degas roubado em 2009

Um quadro do século XIX do artista Edgar Degas, roubado no final de 2009, em Marselha, intitulado "As Coristas", foi descoberto pelas autoridades aduaneiras na região de Paris, anunciou hoje o ministério francês da Cultura.

A tela - propriedade do Museu d'Orsay, na capital francesa - foi encontrada na bagageira de um autocarro na região parisiense e tinha desaparecido a 31 de dezembro de 2009, no Museu Cantini, em Marselha, onde estava emprestado para uma exposição.

Quando a polícia fez um controlo no autocarro, a tela, com a assinatura Degas - pintor impressionista francês (1834-1917) - foi descoberta numa mala, mas ninguém se deu como proprietário, segundo um comunicado oficial.

Os especialistas conseguiram apurar que se trata do quadro pertencente ao Museu d´Orsay, parte das coleções nacionais, cujo desaparecimento representava "uma perda significativa para o património impressionista francês", comentou a ministra da Cultura, Françoise Nyssen, manifestando grande contentamento pela recuperação.

Quando se deu pelo desaparecimento, em 2009, as entidades oficiais tinham afirmado que a obra datada de 1877 valia cerca de 800 mil euros, mas o museu de Marselha apontava para 30 milhões de euros, sem que as autoridades tenham querido confirmar os valores, justificando estarem relacionados com seguros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.