Descoberto em Paris quadro de Edgar Degas roubado em 2009

Um quadro do século XIX do artista Edgar Degas, roubado no final de 2009, em Marselha, intitulado "As Coristas", foi descoberto pelas autoridades aduaneiras na região de Paris, anunciou hoje o ministério francês da Cultura.

A tela - propriedade do Museu d'Orsay, na capital francesa - foi encontrada na bagageira de um autocarro na região parisiense e tinha desaparecido a 31 de dezembro de 2009, no Museu Cantini, em Marselha, onde estava emprestado para uma exposição.

Quando a polícia fez um controlo no autocarro, a tela, com a assinatura Degas - pintor impressionista francês (1834-1917) - foi descoberta numa mala, mas ninguém se deu como proprietário, segundo um comunicado oficial.

Os especialistas conseguiram apurar que se trata do quadro pertencente ao Museu d´Orsay, parte das coleções nacionais, cujo desaparecimento representava "uma perda significativa para o património impressionista francês", comentou a ministra da Cultura, Françoise Nyssen, manifestando grande contentamento pela recuperação.

Quando se deu pelo desaparecimento, em 2009, as entidades oficiais tinham afirmado que a obra datada de 1877 valia cerca de 800 mil euros, mas o museu de Marselha apontava para 30 milhões de euros, sem que as autoridades tenham querido confirmar os valores, justificando estarem relacionados com seguros.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?