Depeche Mode no festival Nos Alive em 2017

O grupo vai editar um disco novo, "Spirit", na primavera, e depois fará uma digressão europeia.

Os britânicos Depeche Mode vão atuar em julho de 2017 no festival Nos Alive, Algés, onde apresentarão um novo álbum, foi hoje anunciado.

Tal como aconteceu em 2012 em Paris, a banda anunciou hoje, numa conferência de imprensa em Milão (Itália), que vai editar um novo álbum na primavera, intitulado Spirit, e que haverá uma nova digressão europeia, que passará por Portugal.

A 11ª edição do Alive decorrerá em Algés de 6 a 8 de julho de 2017. Os Depeche Mode regressam a este festival onde atuaram em 2013, quando editaram o álbum "Delta Machine". De acordo com a promotora, Everything is New, os Depeche Mode atuam no dia 8 de julho no Palco NOS. Os bilhetes já se encontram à venda nos locais habituais. O bilhete diário para o Nos Alive custa 59 euros, o passe para os três dias custa 129 euros.

Os concertos da anterior digressão dos Depeche Mode somaram 2,5 milhões de espectadores. A nova digressão, baptizada de "Global Spirit Tour", começa em maio e passará ainda pela Alemanha, Reino Unido, Suíça, Itália, França, Espanha, Rússia, Ucrânia, Polónia e Roménia.

Na conferência de imprensa, o vocalista, Dave Gahan, contou que o grupo passou os últimos anos a escrever e a gravar este álbum, que ainda não está terminado. Spirit, será o 14.º disco de originais do grupo, sucessor de Delta Machine, que atingiu os tops das tabelas em 12 países e o quinto lugar em outros 26. Spirit está a ser produzido por James Ford, membro fundador da banda Simian Mobile Disco, reponsável por discos de nomes como Florence and The Machine e Arctic Monkeys. Spirit será lançado no início de 2017 pela Columbia Records.

Os Depeche Mode, uma das referências da 'new wave' pop eletrónica dos anos 1980, são formados por Dave Gahan, Martin Gore e Andy Fletcher.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.