"Dear Evan Hansen" vence Melhor Musical nos Prémios Tony

Prémios que reconhecem melhores trabalhos na Broadway foram entregues em Nova Iorque

O espetáculo "Dear Evan Hansen" foi o grande vencedor da 71.ª edição dos Prémios Tony, que reconhecem os melhores trabalhos da Broadway, vencendo o galardão de Melhor Musical e outras cinco distinções.

"Dear Evan Hansen" conquistou os prémios de melhor ator principal em musical, pelo trabalho de Ben Platt, melhor atriz secundária, atribuído a Rachel Bay Jones, melhor guião, da autoria de Steven Levenson, melhor música original, de Benj Pasek e Justin Paul, e melhor orquestra, para Alex Lacamoire.

O musical, sobre o esforço de um adolescente para ser aceite na escola secundária que frequenta, estreou-se inicialmente em Washington, em julho de 2015, mas não chegou a Broadway até ao passado mês de dezembro.

O prémio de melhor atriz principal num musical foi atribuído a Bette Midler por "Hello, Dolly!", espetáculo que também conquistou o galardão de melhor ator secundário num musical, para Gavin Creel, e melhor reposição de um musical.

"Oslo", sobre as conversações de paz entre Israel e Palestina em 1993, venceu o prémio de melhor peça de teatro.

Este ano os Prémios Tony foram apresentados pelo ator Kevin Spacey que, ao contrário de outros anfitriões em edições anteriores, se manteve afastado das críticas políticas à administração norte-americana, ainda que tenha feito uma piada sobre a eleição de Donald Trump como Presidente quando entrou em palco vestido como o ex-presidente Bill Clinton.

"Este ano já tivemos vários vencedores surpresa (...) e não estou a falar dos Prémios Tony", disse Spacey.

Mais incisivo nas críticas a Trump foi o comediante Stephen Colbert, que mencionou o Presidente várias vezes no seu breve discurso, destacando a possibilidade de o seu mandato acabar antes dos quatro anos previstos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.