David Bowie será homenageado nos Grammys

Depois de todas as homenagens, chegou a vez dos Grammys darem o seu destaque a David Bowie

Conhecidos os nomeados e alguns dos apresentadores, a organização veio agora revelar que será feito um (já esperado) tributo a David Bowie.

O cantor, que desde a sua morte já foi homenageado várias vezes, irá mais uma vez ser relembrado, desta vez na cerimónia dos Grammys, através de uma atuação de Lady Gaga e da atribuição de um prémio póstumo pela sua contribuição no mundo da música ao longo de toda a sua carreira.

A atuação estará já a ser preparada e segundo o produtor Ken Ehrlich será um momento "sem precedentes, carregado de tecnologia" que irá ser "uma verdadeira homenagem à pessoa que David era". A escolha recaiu sobre Lady Gaga por esta, desde sempre, eleger David Bowie como a sua maior referência a nível musical.

Apesar de toda a sua influência, David Bowie só tinha, até à data, recebido dois Grammys: um em 1985 pelo vídeo de Jazzin' for Blue Jean e outro, um prémio carreira, em 2006; assim, depois da sua morte, irá receber um segundo prémio carreira, mas desta vez de forma póstuma.

A 58ª edição da cerimónia dos Grammys realizar-se-á no dia 15 de fevereiro em Los Angeles e, para além deste tributo, irá contar com actuações de The Weeknd, Kendrick Lamar e Adele, entre outros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.