Danilo de Albuquerque traz "Até que as ondas percam o sal" a Portugal

O escritor brasileiro vem apresentar o seu romance de estreia de Norte a Sul, tendo ainda tempo para tertúlias e workshops de escrita criativa, durante a sua estada em Portugal

Pela primeira vez editado em Portugal, Danilo de Albuquerque é uma das novas revelações das letras brasileiras que promete conquistar os leitores portugueses. E vai passar por Portugal com o seu primeiro romance, "Até que as ondas percam o sal", que vai estrear numa apresentação na FNAC do Norteshopping, em Matosinhos, no dia 19 de maio, pelas 18h30.

O escritor brasileiro, editado sob a chancela da editora Luz da Razão, vai passar ainda por Braga (dia 20, às 17h00 na FNAC), Coimbra (dia 27, às 16h30 na FNAC), Cascais (dia 31, na FNAC) e Lisboa (dia 1 de Junho, (às 18h00 na FNAC Vasco da Gama). A Feira do Livro de Lisboa será a última paragem de Danilo de Albuquerque, no dia 2 de Junho, com uma apresentação e sessão de autógrafos pelas 16h00, na Praça Amarela do certame que decorrerá na capital. Tertúlias e workshops de escrita criativa são outras das ações em que o autor brasileiro irá participar durante a sua estada em Portugal.

Antes deste romance, o autor que tem em José Saramago o escritor com quem mais se identifica - "O Evangelho Segundo Jesus Cristo impactou profundamente a minha visão do mundo", diz - mas que também se tem debruçado sobre outras referências da literatura portuguesa, como João Tordo ou Valter Hugo Mãe, publicou em 2015 uma coletânea de contos experimentais intitulada "Punhos de Palha".

Na obra que traz a Portugal, Danilo de Albuquerque traça um retrato da vida contemporânea e os seus reflexos na dignidade humana, assumindo uma projeção universal, muito além das questões culturais brasileiras. "O nosso quotidiano tem vindo a tornar-se cada vez mais veloz, e as informações, distribuídas freneticamente em forma de pílulas e recheadas de interesses escusos, têm afetado sobremaneira a capacidade reflexiva das pessoas", diz o autor brasileiro, frisando que "o valor que se tem atribuído ao indivíduo é cada vez mais relativizado em nome das convenções". Daí que quando o peso de uma decepção é insuportável, retomar o protagonismo da própria vida trata-se de uma questão de sobrevivência.

É esta a premissa a partir da qual se desenvolve o enredo de "Até que as ondas percam o sal". Um homem de trinta e poucos anos muda-se para uma comunidade caiçara em Ilhabela e, entre praias paradisíacas e porções intocadas da Mata Atlântica, transforma a sua concepção do mundo, à medida que explora o local e investiga alguns mitos. Ninguém sabe o seu nome, passado, nem o seu maior segredo. Até que aparece Morgana, uma jovem professora, que desbrava as regiões mais obscuras das suas inquietações. "Até que as ondas percam o sal" é, assim, um romance envolvente e repleto de surpresas, que trata sobretudo da dignidade humana, dos processos de amadurecimento pessoal e dos absurdos da vida contemporânea.

Danilo de Albuquerque nasceu em São José do Rio Preto, Brasil, corria o ano de 1983. Trinta anos volvidos muda-se para o Rio Grande do Sul, onde continua a residir. Formado em Direito, tem uma pós-graduação em Direito Penal Económico pela Universidade de Coimbra, exercendo ainda funções na área do ensino, como professor. Desde cedo que escreve ficção, sendo que as suas primeiras histórias remontam a 1994. Estreou-se na edição em 2015 com a colectânea de contos "Punhos de Palha", editado pela Amazon. "Até que as ondas percam o sal" é o seu primeiro romance.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.