Cristina Branco apresentou a sua "Menina" no festival Bons Sons

A cantora deu no sábado à noite, em Cem Soldos, o primeiro concerto com os temas do novo disco, que sai a 16 de setembro.

Ainda há dois dias estava no Sol da Caparica, acompanhada pelo pianista Mário Laginha, a cantar as músicas de Chico Buarque, e ei-la agora aqui, a estrear um novo espetáculo, composto quase totalmente pelos temas de Menina, o 14º disco da carreira de Cristina Branco, com lançamento previsto para 16 de setembro.

"Nota-se que estou um bocadinho nervosa?", perguntou a cantora, a meio do espetáculo, ao público que enchia o Largo do Rossio, em Cem Soldos, a aldeia perto de Tomar onde até segunda-feira decorre o festival Bons Sons. Depois de alguns concertos no estrangeiro, esta foi a primeira vez que Cristina Branco apresentou os temas novos ao público em Portugal. Começando por A Meio do Caminho (letra de Nuno Prata e música de Peixe, ambos ex-Ornatos Violeta) e arriscando um espetáculo onde o público estava praticamente às cegas, conhecendo pouco mais do que o single já apresentado, E às vezes dou por mim ( música de Filho da Mãe e letra de André Henriques, dos Linda Martini).

Não terá sido fácil para quem estava à espera de ouvir os sucessos da cantora, mas quem ficou mais perto do palco e se deixou envolver pela voz de Cristina Branco, a cada tema a deixar os nervos para trás e a sentir-se mais segura, pôde descobrir algumas das novas canções, como a fantástica Alvorada, de Luís Severo - uma aliança improvável que representa bem o espírito deste disco. "Tenho muita sorte por ter muita gente boa a escrever para mim", explicou.

Ouviu-se um já antigo mas sempre atual Fado do Mal Passado (letra de Júlio Pomar e música do maestro Vitorino de Almeida) sobre a "eterna questão do novo fado e do fado tradicional", e, entre as canções novas, não passaram despercebidos a letra certeira e o ritmo de Boatos (de Jorge Cruz, dos Diabo na Cruz), e ainda O Gesto Dela (letra de Ana Bacalhau, dos Deolinda, e música de Luís Figueiredo).

Acompanhada pelos músicos Bernardo Moreira (contrabaixo), Luís Figueiredo (piano) e Bernardo Couto (guitarra portuguesa), Cristina Branco pôs toda a gente cantar Bomba Relógio, de Sérgio Godinho, e sobretudo, no grande final, com Tudo Isto É Fado, de Amália Rodrigues.

Após esta apresentação no festival Bons Sons, o próximo concerto desta Menina acontece na Festa do Avante e depois, em outubro, Cristina Branco segue em digressão com os novos temas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.