Costa Pina diz que não autorizou venda de Mirós

Carlos Costa Pina, antigo secretário de Estado do Tesouro e das Finanças do Governo de Sócrates, nega ter aprovado a venda de obras de Miró, contrariando uma resposta do presidente da Parvalorem ao Ministério de Estado e das Finanças (MEF), a partir de uma pergunta do grupo grupo parlamentar do CDS/PP. "Não aprovei nenhuma venda de quadros, nem tal questão me foi colocada, pois de um despacho de "visto" sobre um relatório e contas não pode resultar tal conclusão. Pronunciei-me, sim, sobre a denominada segregação de ativos no BPN em geral proposta pela CGD, enquanto entidade responsável pela gestão do BPN à época", disse ontem o ex-governante ao DN.

Francisco Nogueira Leite, presidente da Parvalorem - sociedade anónima de capitais públicos criada em 2010 pelo Estado para gerir os ativos e recuperar créditos do ex-Banco Português de Negócios (BPN) -,respondeu ao MEF que um parecer de Carlos Costa Pina de agosto de 2010 sobre a venda de ativos não core do BPN permite nele incluir as obras de arte do pintor catalão. "Não foram dadas indicações nem pelo então Conselho de Administração do BPN nem pela tutela para que as obras de Joan Miró fossem transferidas para as sociedades- -veículo a criar", disse.

LEIA MAS PORMENORES NA EDIÇÃO E-PAPER DO DN:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.