Costa Pina diz que não autorizou venda de Mirós

Carlos Costa Pina, antigo secretário de Estado do Tesouro e das Finanças do Governo de Sócrates, nega ter aprovado a venda de obras de Miró, contrariando uma resposta do presidente da Parvalorem ao Ministério de Estado e das Finanças (MEF), a partir de uma pergunta do grupo grupo parlamentar do CDS/PP. "Não aprovei nenhuma venda de quadros, nem tal questão me foi colocada, pois de um despacho de "visto" sobre um relatório e contas não pode resultar tal conclusão. Pronunciei-me, sim, sobre a denominada segregação de ativos no BPN em geral proposta pela CGD, enquanto entidade responsável pela gestão do BPN à época", disse ontem o ex-governante ao DN.

Francisco Nogueira Leite, presidente da Parvalorem - sociedade anónima de capitais públicos criada em 2010 pelo Estado para gerir os ativos e recuperar créditos do ex-Banco Português de Negócios (BPN) -,respondeu ao MEF que um parecer de Carlos Costa Pina de agosto de 2010 sobre a venda de ativos não core do BPN permite nele incluir as obras de arte do pintor catalão. "Não foram dadas indicações nem pelo então Conselho de Administração do BPN nem pela tutela para que as obras de Joan Miró fossem transferidas para as sociedades- -veículo a criar", disse.

LEIA MAS PORMENORES NA EDIÇÃO E-PAPER DO DN:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.