Concurso público para construção de hotel no CCB lançado até início do verão

O concurso público internacional para a construção de um hotel e uma zona comercial e concluir o projeto original do Centro Cultural de Belém, em Lisboa, deverá ser lançado até ao início do verão, segundo o presidente desta entidade.

Numa entrevista à agência Lusa, a propósito dos 25 anos do Centro Cultural de Belém (CCB), Elísio Summavielle, nomeado há dois anos para o cargo, assumiu a conclusão dos módulos 04 e 05 do equipamento, como uma das suas prioridades e grandes ambições até ao final do mandato.

A concessão para um hotel e espaço comercial é um objetivo relacionado com a conclusão do projeto original, mas também está diretamente ligada à "necessidade de a Fundação CCB obter cada vez mais recursos próprios".

"Vai fazer dois anos que entrei nesta casa fantástica, e uma das ambições seria concluir o projeto do arquiteto Vittorio Gregotti. Sempre faltaram os módulos 04 e 05, e, por razões diversas, o processo manteve-se incompleto até hoje", recordou.

O CCB foi inaugurado a 21 de março de 1993, depois de ter acolhido, um ano antes, a Presidência Portuguesa da União Europeia, e, nestes 25 anos, foi palco de milhares de eventos culturais e de outras áreas, pois também acolhe congressos e encontros de entidades públicas e privadas.

"Juntando essa necessidade de concluir o projeto, e dar a coerência total ao equipamento, e também a necessidade de a Fundação CCB ter cada vez mais recursos próprios que possam garantir uma programação mais ambiciosa, e de sustentação da casa, deu-se prioridade" ao seu prosseguimento.

Ao longo dos últimos anos, "concluiu-se o processo da legalização dos terrenos, e, neste momento, há apenas uns ajustamentos a fazer nas medições, e também a preparação do concurso público internacional que possa dar a oportunidade aos diversos promotores de assumirem a conclusão do projeto", indicou o presidente do CCB.

A opção tomada é a de um modelo de concessão, construção e exploração do equipamento hoteleiro e da galeria comercial, funcionando num modelo de direito de superfície dos terrenos, durante 75 anos.

"Não só é importante para a sustentabilidade futura do CCB, mas também para a cidade de Lisboa, que tem o seu centro histórico já muito concentrado com o turismo, e é necessário que também cresça para ocidente", avaliou o responsável, sublinhando a necessidade de "criar um polo importante junto do CCB" que traga "alguma movida" àquela zona.

Elísio Summavielle já foi secretário de Estado da Cultura, com Gabriela Canavilhas como ministra, e também presidente do Instituto de Gestão do Património Arquitetónico e Arqueológico (IGESPAR), atual Direção Geral do Património Cultural (DGPC).

Esta "ambição virtuosa", como lhe chamou Elísio Summavielle, terá o concurso internacional lançado "entre o final da primavera e início do verão deste ano, e o início da construção em 2019".

Quanto à duração da obra nunca deverá ser menos de um ano e meio, de acordo com a estimativa do presidente do CCB, que indicou à Lusa existirem já, pelo menos, quatro ou cinco interessados, nacionais e estrangeiros.

Questionado sobre a gestão financeira do CCB e se existe um passivo, Elísio Summavielle disse que a situação foi solucionada após ter chegado à presidência da entidade, cuja gestão "tem de ser bastante rigorosa, entre as receitas e a despesa, para equilibrar as contas".

"A subvenção anual do Estado, através do Ministério da Cultura - sete milhões este ano, mas já foi de 11 milhões - não cobre a totalidade dos custos de funcionamento, desde salários, energia, água, limpeza e segurança", apontou.

De acordo com o presidente do CCB, a receita da atividade comercial - que inclui o aluguer dos espaços a empresas - foi aumentada em 20 por cento relativamente ao que era, há dois anos: "São estes proventos que dão a prudente programação que temos de fazer".

"A construção do hotel dará ao CCB um rendimento mais simpático que nos irá permitir ter uma ambição maior na programação, a tal internacionalização que um equipamento de excelência destes deve fazer, e colocar Lisboa no mapa das grandes atrações performativas da Europa", sustentou.

Ainda sobre o apoio do Estado, Elísio Summavielle prefere "não fazer a choraminguice de pedir dinheiro", porque "o Estado tem as suas prioridades", e, em vez disso "explorar os recursos do CCB até ao limite".

"Esses recursos é que poderão dar a sustentabilidade futura e a ambição que desejamos para um equipamento destes", defendeu, sobre o projeto, que proporcionará um financiamento que entrará no património da fundação, tal como as lojas que o espaço acolhe.

São estes rendimentos permanentes que asseguram a sobrevivência do CCB, assegura o responsável: "Estamos um pouco acima desse limiar de sobrevivência, neste momento, mas também não podemos resvalar para situações complicadas, deficitárias, ou que ponham em causa a estabilidade da casa e dos seus trabalhadores", concluiu.

No dia que se cumprem os 25 anos, a 21 de março, o CCB celebra a data com o evento "Dia Aberto", que inclui a inauguração de uma exposição sobre a história do centro cultural, uma feira do livro, oficinas de música para os mais novos, e visitas aos bastidores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.