Concertos que dão as boas-vindas a 2017

O DN deixa-lhe algumas sugestões para os concertos de Ano Novo em Portugal e nas principais salas de espetáculo europeias.

A Igreja de São Roque, com o Concerto de São Silvestre no dia 31, o Centro Cultural de Belém, no dia 1, e o Teatro Nacional de São Carlos, no dia 3, são os palcos dos principais concertos clássicos que assinalam na capital a chegada de 2017.

Lisboa, Teatro Nacional de São Carlos

No Chiado, o São Carlos abre as portas no dia 3, pouco antes das 21.00, para receber o público para o seu Concerto de Ano Novo. Ali, Coro do Teatro, Orquestra Sinfónica Portuguesa, o soprano Susana Gaspar, o mezzo Maria Luísa de Freitas e o maestro britânico David Parry irão percorrer um repertório muito variado, que vai de Georges Bizet até ao Gloria de Francis Poulenc, demorando-se ainda pela opereta nas pessoas de Jacques Offenbach (A Bela Helena) e Johann Strauss (O Morcego). Mas também lá estará a bela Valsa do Imperador, do mesmo Strauss.

Lisboa, Centro Cultural de Belém

Aqui, o Concerto de Ano Novo é no Dia de Ano Novo: às 17.00, a Orquestra Metropolitana convida para uma celebração musical da chegada de 2017, com aquele que começa a ser o "maestro dos concertos de Ano Novo": o polaco Sebastian Perlowski, a quem apelidam de "mago da boa disposição". Dirige ele um programa "à Viena de Áustria" que não poderia ser mais popular e apelativo em termos da escolha de valsas e polcas. Pelo meio, ouvem-se duas obras de Janusz Bielecki e, a abrir cada parte, duas populares aberturas de ópera: do Guilherme Tell, de Rossini, e de Ruslan e Ludmilla, de Glinka.

Lisboa, Fundação Gulbenkian/Igreja de São Roque

Do lado da Gulbenkian, o Concerto de Ano Novo é antes um Concerto de São Silvestre, como já vem sendo habitual nos últimos anos, retomando a tradição da Lisboa setecentista de se fazer cantar um Te Deum na Igreja de São Roque. Às 17.00 de dia 31, no citado templo, os Coro e Orquestra Gulbenkian, sob a direção de Jorge Matta, interpretam o Te Deum barroco de Marc-Antoine Charpentier (famoso por ter sido adotado como hino da Eurovisão) e o Te Deum moderno do estónio Arvo Pärt. São solistas Eduarda Melo, Carolina Figueiredo, Marco Alves dos Santos e Tiago Matos.

Porto, Casa da Música

A norte, a Sinfónica do Porto-Casa da Música "recebe" o novo ano no dia 6 (às 21.00) com um programa de feição toda vienense, a meio caminho entre valsas e polcas e as páginas de opereta, sendo que esta inclui amiúde aquelas. Obras dos irmãos Johann e Josef Strauss, mais Robert Stolz, Franz von Suppé, Franz Lehar, Emmerich Kalmán e Émile Waldteufel. Será solista o soprano lírico alemão Jeanette Roeck (terá quatro intervenções), na sua estreia em Portugal. Dirige o austríaco Leopold Hager.

Viena de Áustria, Musikverein

O "concerto dos concertos" de ano novo é o que se realiza na manhã de dia 1, em Viena, desde há mais de 70 anos, hoje visto por quase cem milhões de pessoas em mais de 70 países. Na Sala Dourada do edifício do Musikverein de Viena, a Filarmónica de Viena, neste ano dirigida por Gustavo Dudamel, fará um programa extremamente variado, contemplando, claro, Johann (pai e filho) e Josef Strauss, mas também Lehar, Waldteufel, Suppé, Ziehrer, Nicolai, aqui com mais uma surpresa: a participação do coro amador Singverein de Viena. Começa às 11.15 locais. A RTP transmite em ligeiro diferido (com início às 10.30), ao passo que a Antena 2 transmite em direto. O fim, já se sabe, é com O Danúbio Azul e a Mar- cha Radetzky, mas com Dudamel tudo pode acontecer...

Berlim, Filarmonia

Em Berlim, entre dia 30 e dia 1, há nada menos que 26 concertos de São Silvestre/Ano Novo de perfil clássico por toda a cidade, inclusive na Igreja-Memorial do Imperador Guilherme, mesmo ao lado do palco do recente atentado na capital alemã. Escolhemos para aqui o que se realiza às 16.00 de dia 1 e que será dirigido pelo nosso bem conhecido Lawrence Foster, ex-titular da Orquestra Gulbenkian. Tendo por solista o soprano alemão Annette Dasch (na foto), o programa é integralmente norte-americano. É no Konzerthaus.

Londres, Barbican Centre

No Barbican Centre, às 14.30 de dia 1, a London Concert Orchestra, dirigida por Anthony Inglis, apresenta um programa de classical favourites.

Paris, igrejas

Na capital francesa, são sobretudo igrejas que são palco de concertos de ano novo. Por exemplo: dia 1, às 15.30, em Saint-Pierre-de-Montrouge (Messias de Händel); ou às 20.30, na de Saint-Germain--des-Prés (obras de Bach, Mozart, Vivaldi, Albinoni).

Milão, Auditório

Na capital lombarda, os Coro e Orquestra Sinfónica de Milão-Giuseppe Verdi tocam a Nona Sinfonia de Beethoven, sob a direção do alemão Claus Peter Flor. Será no Auditório de Milão, nos dias 29, 30 e 31; e no dia 1, às 16.00.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.