Concertos que dão as boas-vindas a 2017

O DN deixa-lhe algumas sugestões para os concertos de Ano Novo em Portugal e nas principais salas de espetáculo europeias.

A Igreja de São Roque, com o Concerto de São Silvestre no dia 31, o Centro Cultural de Belém, no dia 1, e o Teatro Nacional de São Carlos, no dia 3, são os palcos dos principais concertos clássicos que assinalam na capital a chegada de 2017.

Lisboa, Teatro Nacional de São Carlos

No Chiado, o São Carlos abre as portas no dia 3, pouco antes das 21.00, para receber o público para o seu Concerto de Ano Novo. Ali, Coro do Teatro, Orquestra Sinfónica Portuguesa, o soprano Susana Gaspar, o mezzo Maria Luísa de Freitas e o maestro britânico David Parry irão percorrer um repertório muito variado, que vai de Georges Bizet até ao Gloria de Francis Poulenc, demorando-se ainda pela opereta nas pessoas de Jacques Offenbach (A Bela Helena) e Johann Strauss (O Morcego). Mas também lá estará a bela Valsa do Imperador, do mesmo Strauss.

Lisboa, Centro Cultural de Belém

Aqui, o Concerto de Ano Novo é no Dia de Ano Novo: às 17.00, a Orquestra Metropolitana convida para uma celebração musical da chegada de 2017, com aquele que começa a ser o "maestro dos concertos de Ano Novo": o polaco Sebastian Perlowski, a quem apelidam de "mago da boa disposição". Dirige ele um programa "à Viena de Áustria" que não poderia ser mais popular e apelativo em termos da escolha de valsas e polcas. Pelo meio, ouvem-se duas obras de Janusz Bielecki e, a abrir cada parte, duas populares aberturas de ópera: do Guilherme Tell, de Rossini, e de Ruslan e Ludmilla, de Glinka.

Lisboa, Fundação Gulbenkian/Igreja de São Roque

Do lado da Gulbenkian, o Concerto de Ano Novo é antes um Concerto de São Silvestre, como já vem sendo habitual nos últimos anos, retomando a tradição da Lisboa setecentista de se fazer cantar um Te Deum na Igreja de São Roque. Às 17.00 de dia 31, no citado templo, os Coro e Orquestra Gulbenkian, sob a direção de Jorge Matta, interpretam o Te Deum barroco de Marc-Antoine Charpentier (famoso por ter sido adotado como hino da Eurovisão) e o Te Deum moderno do estónio Arvo Pärt. São solistas Eduarda Melo, Carolina Figueiredo, Marco Alves dos Santos e Tiago Matos.

Porto, Casa da Música

A norte, a Sinfónica do Porto-Casa da Música "recebe" o novo ano no dia 6 (às 21.00) com um programa de feição toda vienense, a meio caminho entre valsas e polcas e as páginas de opereta, sendo que esta inclui amiúde aquelas. Obras dos irmãos Johann e Josef Strauss, mais Robert Stolz, Franz von Suppé, Franz Lehar, Emmerich Kalmán e Émile Waldteufel. Será solista o soprano lírico alemão Jeanette Roeck (terá quatro intervenções), na sua estreia em Portugal. Dirige o austríaco Leopold Hager.

Viena de Áustria, Musikverein

O "concerto dos concertos" de ano novo é o que se realiza na manhã de dia 1, em Viena, desde há mais de 70 anos, hoje visto por quase cem milhões de pessoas em mais de 70 países. Na Sala Dourada do edifício do Musikverein de Viena, a Filarmónica de Viena, neste ano dirigida por Gustavo Dudamel, fará um programa extremamente variado, contemplando, claro, Johann (pai e filho) e Josef Strauss, mas também Lehar, Waldteufel, Suppé, Ziehrer, Nicolai, aqui com mais uma surpresa: a participação do coro amador Singverein de Viena. Começa às 11.15 locais. A RTP transmite em ligeiro diferido (com início às 10.30), ao passo que a Antena 2 transmite em direto. O fim, já se sabe, é com O Danúbio Azul e a Mar- cha Radetzky, mas com Dudamel tudo pode acontecer...

Berlim, Filarmonia

Em Berlim, entre dia 30 e dia 1, há nada menos que 26 concertos de São Silvestre/Ano Novo de perfil clássico por toda a cidade, inclusive na Igreja-Memorial do Imperador Guilherme, mesmo ao lado do palco do recente atentado na capital alemã. Escolhemos para aqui o que se realiza às 16.00 de dia 1 e que será dirigido pelo nosso bem conhecido Lawrence Foster, ex-titular da Orquestra Gulbenkian. Tendo por solista o soprano alemão Annette Dasch (na foto), o programa é integralmente norte-americano. É no Konzerthaus.

Londres, Barbican Centre

No Barbican Centre, às 14.30 de dia 1, a London Concert Orchestra, dirigida por Anthony Inglis, apresenta um programa de classical favourites.

Paris, igrejas

Na capital francesa, são sobretudo igrejas que são palco de concertos de ano novo. Por exemplo: dia 1, às 15.30, em Saint-Pierre-de-Montrouge (Messias de Händel); ou às 20.30, na de Saint-Germain--des-Prés (obras de Bach, Mozart, Vivaldi, Albinoni).

Milão, Auditório

Na capital lombarda, os Coro e Orquestra Sinfónica de Milão-Giuseppe Verdi tocam a Nona Sinfonia de Beethoven, sob a direção do alemão Claus Peter Flor. Será no Auditório de Milão, nos dias 29, 30 e 31; e no dia 1, às 16.00.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)