Concertos de Páscoa do Minho ao Algarve

Algumas propostas de concertos alusivos à época pascal, de hoje até domingo

Bach na Gulbenkian

Hoje e amanhã, às 19.00, seis solistas vocais (entre os quais Topi Lehtipuu como Evangelista e Rudolf Rosen como Cristo), Coro e Orquestra Gulbenkian e maestro Michel Corboz interpretam a Paixão segundo São João, de Bach: mesma formação e mesma obra que figuraram há sete anos num documentário do canal Mezzo sobre os grandes coros europeus.

Mais Bach pela Metropolitana
A Orquestra Metropolitana toca na noite de 24 no CCB e também leva Bach na bagagem: Oratória de Páscoa, Cantata para o Domingo de Páscoa O Céu sorri! A terra rejubila, BWV 31 (1715) e o Concerto para violino, BWV1041. Quatro solistas vocais e o Coro Voces Caelestes juntam-se à OML. Dirige Nicholas Kraemer.

Uma Paixão desconhecida
A Filarmonia das Beiras, cinco solistas vocais e o Coro da Sé Catedral do Porto levam a Braga (Sé, hoje), Espinho (Igreja Matriz, dia 23) e Porto (Igreja da Lapa, dia 25) a Paixão de Nosso Senhor, op. 65, obra de 1835-37 de Jozef Elsner (1769-1854), autor famoso por ter sido o principal professor de Chopin. Dirige Tiago Ferreira.

Dor, Paixão e Requiem a Norte
A Orquestra do Norte faz dois programas diferentes com dois maestros diferentes: com José Ferreira Lobo, seu maestro-titular, tocam o Requiem Alemão, de Brahms, no dia 23, na Sé de Viseu e no dia 25, na Sé Velha de Coimbra (com o Coro Sinfónico Inês de Castro, que em Coimbra integrará para o efeito o Coro Spatium Vocale). Solistas serão Ana Maria Pinto (ambas as datas), Pedro Telles (dia 23) e Rodrigo Carvalho (dia 25). Já com o maestro Manuel Teixeira, irão à Igreja da Misericórdia, no Porto (dia 24), para o Stabat Mater, de Vivaldi (com o meio-soprano Liliana Sousa) e a Sinfonia nº 49, 'La Passione', de Haydn.

Morte temperada de morbidez a Sul
A Orquestra Clássica do Sul faz dois concertos, ambos no fim de semana: dia 26 na Matriz de Moncarapacho (19.00) e no Domingo de Páscoa, na Igreja do Carmo de Tavira (18.00). No programa, a Sinfonia nº 44 "Fúnebre", de Haydn, e o ciclo de canções Les nuits d"été, de Berlioz, com Rui Baeta por solista. Maestro é Rui Pinheiro, titular da OCS.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.