Competição e espetáculo: o outro lado da kizomba

Dança. A 9.ª edição do concurso ÁfricAdançar termina hoje no Casino Estoril com um novo par campeão entre 23 países representados. A primeira eliminatória foi na sexta à noite

Por gosto todos o fazem, mas qualquer semelhança entre uma noite na pista de dança e o concurso de kizomba é coincidência. Dois pares de Espanha, dois de França e quatro pares da Tunísia, Polónia, Canadá e Portugal jogaram a sua última oportunidade na discoteca Barrio Latino, em Lisboa, na sexta-feira à noite, em busca de um lugar na final de hoje, no Casino Estoril, da 9ª edição do ÁfricAdançar.

"Kizomba de palco é show, a kizomba do social é diferente", afirma Zé Barbosa ao DN, minutos antes de sentar no seu lugar no palco, com uma folha e uma caneta, preparado para avaliar os oito pares que estão em competição. Apresentam-no assim, sem mais, e é ele quem desfia o currículo que faz dele um dos nomes mais conhecidos entre os praticantes de kizomba. Tem 43 anos, há 20 que se dedica a divulgar este género. Chegou para a Expo 98 vindo de Cabo Verde, onde fazia teatro e organizava um festival cultural. Convidaram-no para ensinar kizomba. Porto, Aveiro, Figueira da Foz, Coimbra... "Conhecia todos os motoristas de expresso", diz, sorridente. É do tempo em que ninguém chamava kizomba à kizomba, era passada. De Portugal para o mundo, exportando o bê-a-bâ desta dança - "tarrachinha" e "ginga". Esteve m Bucareste no último fim de semana, dentro de 15 dias vai à Rússia, quer ir ao Japão. "A partir do momento em que há um campeão, há um professor".

Uma mulher alta e loura cumprimenta-o. "É a maior impulsionadora de kizomba em Espanha, e vem da Ucrânia", como quem faz prova do que diz.

São 23 os países representados no concurso. Na sexta-feira competiram os segundos e terceiros classificados de cada país, e aqueles que não têm competição nos seus países.

Há um prémio de 3 mil euros em jogo, mas ninguém fala dele. Vêm, dizem, para aprender mais nos workshops que se realizaram ontem e anteontem, com os gurus da modalidade - Filipa Castanhas, Paulo Cruz e Lanna...

"Aprende-se sempre mais qualquer coisa", diz Romarey, espanhola da Gran Canária. Ela e o namorado, Echedey, souberam, já passava das 02.00 da manhã que tinham lugar na semifinal de sábado. Os compatriotas, primeiros a subir ao palco, dançaram o popular Vamos Ficar por Aqui, de C4Pedro, e tomaram o título da canção à letra. Tão-pouco houve espaço para os tunisinos. Susana e André, segundos classificados no concurso nacional competem esta noite. São os mais aplaudidos.

"Isto é kizomba show, é uma kizomba de fusão. Há tango/kizomba, samba/kizomba, hip hop kizomba", diz Zé Barbosa. Insiste na diferença entre o que dançam os pares na pista e o que competem em palco. Os primeiros usam o sentimento, os segundos procuram o espetáculo. Mas espetáculo sem sentimento não resulta, garante outro jurado, Sérgio Banderas, campeão de 2009. "É preciso dançar muito no social. Há pares que se nota que não têm essa experiência."

É um "defeito" que Jason Ng, canadiano, reconhece. "Venho das danças de salão, onde se dança assim [endireita-se e mantém-se hirto], na kizomba é assim [enrola-se sobre si próprio]. Estou a trabalhar", ri-se, ao lado de Julie, uma gestora de contas da rede social LinkdIn, tão apaixonada por kizomba que já tinha estado em Portugal para frequentar uma formação intensiva em Gaia.

Os pares ensaiam na pista: maquilhagem forte, pouca roupa, vestidos de dança com padrões de capulana lembrando a origem da kizomba (festa, em Angola). Misturam-se com quem vem dançar por sua conta e risco. Como Frida, representante de Moçambique, que, dá aulas na África do Sul, que está pronta para treinar um pouco mais. Abre a mala e tira os sapatos de dança. Que o show comece.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.