Companhia Nacional com cinco estreias absolutas em 2017

Cinco estreias absolutas, entre elas Uma História da Dança, de Bruno Cochat, integram a nova temporada 2016/17 da Companhia Nacional de Bailado (CNB), que celebra 40 anos em 2017, e inspira-se na poesia de Ana Hatherly.

De acordo com a programação da nova temporada enviada à agência Lusa, serão apresentados 10 programas, cinco deles em estreia absoluta, um em estreia nacional, e quatro reposições, num total de 120 espetáculos, cerca de metade dançados de norte a sul do país, nas ilhas dos Açores e da Madeira.

Quinze Bailarinos e Tempo Incerto de João Penalva e Rui Lopes Graça, Turbulência, de António Cabrita, Henriett Ventura, São Castro e Xavier Carmo, uma nova versão de La Bayadére, de Fernando Duarte e José Capela, e um projeto ainda sem nome de Israel Garván e Carlos Pinillos, serão também projetos em estreia absoluta pela CNB.

Ainda na próxima temporada, que tem início a 15 de setembro, está prevista a apresentação de ITMOI - In the Mind of Igor, de Akram Khan, uma estreia em Portugal, e regressarão A perna Esquerda de Tchaikosvski, uma criação de Barbora Hruskova, Mário Laginha e Tiago Rodrigues.

Também está prevista a reposição do programa com quatro coreografias Treze gestos de um Corpo/Será que é uma Estrela/Herman Schmerman/Minus16 de Olga Roriz, Vasco Wellenkamp, Willima Forsythe e Ohad Naharin.

Está igualmente prevista uma digressão internacional do espetáculo Tábua Rasa, uma coprodução CNB/Vo"Arte ao SIDance Festival de Seul, na Coreia do Sul, em outubro deste ano.

Em digressão nacional, este ano, estará Romeu e Julieta, de Rui Horta, em setembro, a Montemor-o-Novo, e La Bayadére a Almada, em dezembro, e de outras peças coreográficas em 2017, a cidades como Bragança, Castelo Branco, Funchal, Angra do Heroísmo, Beja, Setúbal, entre outras.

O filme de Cláudia Varejão, No Escuro do Cinema Descalço os Sapatos, que teve estreia nacional em janeiro deste ano, em Lisboa, e internacional em Paris, no Centro George Pompidou, em março, será também projetado em todos os teatros onde a CNB passar em digressão nacional.

A nova temporada incluirá ainda projetos educativos, comunitários e criativos, master classes, projetos de aproximação à dança, oficinas coreográficas, e cursos de dança de verão.

Sophia de Mello Breyner Andresen deu o mote à temporada de 2014/2015, a temporada que agora termina é inspirada por outra poetisa, Adília Lopes, enquanto a próxima segue a obra da artista plástica, poeta, romancista e tradutora Ana Hatherly (1929-2015).

Foi a 22 de junho de 1977, que o poeta e então secretário de Estado da Cultura, David Mourão Ferreira, assinou o despacho de criação da CNB, que em 2017 irá completar 40 anos, e é, desde 2010 dirigida por Luísa Taveira, reconduzida este ano, pelo Ministério da Cultura, até 2018.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".