Como é um espetáculo contado ao ouvido de quem não vê?

Há teatros e museus que se esforçam por tornar a arte acessível a todos, através de audiodescrição e língua gestual. Fomos ver o que acontece no Teatro São Luiz e no Museu de Serralves.

“Olá, eu sou a Tânia, tenho um vestido preto, comprido, com uns folhos no decote e nos ombros, num tecido que parece seda.” A descrição é interrompida pela voz de Nelson. “Posso tocar?” “Claro!” A atriz pega na mão de Nelson e encaminha-a até aos folhos e daí para a gargantilha que tem ao pescoço e depois ao cabelo apanhado no cimo na nuca, enquanto explica também que na peça Amazónia as personagens têm os nomes dos atores que as interpretam. Welket, Isabel, Jani, Marco, Bruno. Todos estão ali, no palco no Teatro São Luiz, em Lisboa, pouco antes do espetáculo começar, para conversar com os dois espectadores com deficiência visual que vieram assistir a Amazónia naquele domingo à tarde. Descrevem a sua aparência. Deixam-se tocar. Um anel no dedo. Uns calções rococó em forma de balão. O cabelo encaracolado.

Depois de os atores saírem, para se prepararem para o espetáculo, a audiodescritora Sofia Afonso fala-lhes brevemente do cenário e pede-lhes que toquem nos pinheiros artificiais que povoam o palco. Terminada a visita de reconhecimento ao palco, Nelson e Tiago sentam-se nos seus lugares e colocam um pequeno auricular num dos ouvidos. Sofia vai para a sua cabine e fala-lhes ao ouvido. “O público entra na sala e ocupam os seus lugares. As luzes da sala apagam-se.” Começa o espetáculo. Eles não o veem mas vão ouvi-lo. E com a ajuda da audiodescrição ficarão a saber o que não podem ver.

Contar o que não pode ser visto

Nelson Portinha tem 42 anos e foi oficial de justiça até a perda de visão o ter forçado a entrar de baixa. Ao longo de 17 anos foi-se preparando para o momento em que iria deixar de ver mas e luta todos os dias por manter uma vida ativa e continuar a fazer as coisas de que gosta - como ir ao teatro ou visitar uma exposição. “É tudo muito difícil”, lamenta. Este é o primeiro dia em que sai de casa com a bengala, após uma intervenção cirúrgica. “Estive quase para não vir.”

Nelson é um dos participantes mais assíduos nas sessões teatrais com audiodescrição que no São Luiz começaram este ano, mas que também estão disponíveis, com regularidade, no Teatro Maria Matos e nos teatros nacionais Dona Maria II (em Lisboa) e São João (Porto). “Só é pena não haver mais”, diz ele. Ainda assim, a evolução tem sido enorme. Há três anos era raro haver sessões com audiodescrição, explica Anaísa Raquel, atriz que há cerca de sete anos começou a fazer este trabalho. “Era um serviço que não havia. “Criei uma equipa e fizemos formação ao início foi muito difícil explicar às pessoas isto não é solidariedade. É um serviço que é necessário haver.”

Para chegar a uma sessão de audiodescrição muito trabalho foi feito antes: começa-se por ver um vídeo de um ensaio e fazer um primeiro guião de audiodescrição; depois uma outra pessoa, que não sabe nada sobre o espetáculo, faz a correção; passa-se para uma fase crucial que é pedir o conselho a pessoas com diferentes graus de deficiência e diferentes gostos culturais; e, por fim, a audiodescritora vai assistir ao espetáculo para testar o guião em tempo real. “Temos que usar as pausas, para não interferir muito na experiência do espetáculo e nem sempre é fácil”, explica Anaísa Raquel. “Descrevemos tudo o que é visível e não é dito. Há quem faça de maneira diferente, mas nós defendemos que a audiodescrição deve ser o mais objetiva possível. Não descrevemos sentimentos, procuramos a palavra mais curta e mais verdadeira e deixamos que cada pessoa intérprete à sua maneira.” As dúvidas são muitas. Como explicar as cores a uma pessoa que nunca viu? Como explicar o que é uma teia ou como é um palco a alguém que nunca foi ao teatro? O feedback dos participantes tem sido essencial para melhorar a audiodescrição, diz.

Nessa mesma sessão de Amazónia, enquanto a audiodescritora Sofia Afonso se instala numa cabine junto aos camarotes, com visibilidade total sobre o palco e a sala, cá em baixo, estão as duas intérpretes de Língua Gestual Portuguesa (LGP), Sofia Rocha e Ana Silva. Ao contrário do que acontece com a audiodescrição, os intérpretes de LGP apostam na expressividade. Com gestos, procuram transmitir a entoação de cada frase dos atores e os sentimentos por trás daquelas palavras. Estão de costas para o palco, de frente para a plateia, iluminadas, para que sejam bem visíveis pelo grupo de surdos que veio assistir ao espetáculo.

André, Sara e Nedilson são alunos dos Instituto Jacob Rodrigues Pereira e são já espectadores habituais destas sessões com LGP que existem no São Luiz desde 2003. “Já chegámos a vir com grupos de dez pessoas”, conta a professora Anabela, que os acompanha. André, de 20 anos, é o mais “falador” dos três. Com gestos, conta como não perde uma sessão, aqui ou no D. Maria II, gosta de dançar, vai à discoteca e participa na marcha da Bela-Flor (de Campolide). E até gostaria de fazer teatro no futuro.

Perceber o que não se ouve

Em silêncio. Em absoluto silêncio. É assim que decorre a visita guiada em LGP à exposição de Jorge Pinheiro, patente no Museu de Serralves, no Porto. E, no entanto, tanto que ali se conversa. Ao longo de quase duas horas, os cinco participantes nesta visita aprendem o que significa a palavra “fibonacci”, ficam a conhecer a vida e a carreira do artista, discutem a influência do 25 de Abril e da situação política do país na sua obra e muito mais. Tudo isto em silêncio, com a ajuda da intérprete de LGP Susana Tavares e da mediadora Inês Tomás.

Inês tem 32 anos é arquiteta e tem surdez profunda. E tem uma energia incrível. Nunca deixou que a sua incapacidade a impedisse de fazer o que queria. “Leio muito, é a única maneira”, explica. “Faço muita leitura labial mas, para isso é preciso saber e depois estar cara a cara com a pessoa. Em sala de aula é muito complicado, é preciso ter intérprete. Por isso é preciso pesquisar muito. Mas sinto que ainda há muitas barreiras.”

Quando, este ano, soube que a Associação Cultural Laredo estava à procura de mediadores surdos, candidatou-se imediatamente. “Eu acho que os surdos gostam de arte mas até agora encontram muitas barreiras. Até podem ir ver uma exposição mas depois não percebem, porque a arte tem uma linguagem específica, não é fácil”, conta Inês, através da tradutora de LGP. “É preciso alguém que faça esse trabalho prévio, que haja uma sintonia entre os conceitos da história da arte e a língua gestual. O mediador faz essa ponte entre a arte e a comunidade surda.”

Joana Macedo, da Associação Cultural Laredo, fundada em 2014 e que no Porto, entre outras coisas, trabalha com a comunidade surda com a novidade de preferirem usar mediadores em vez de tradutores. “Temos um grupo de jovens surdos que fazem as visitas em pé de igualdade com os outros participantes. A ideia é que as visitas guiadas não sejam uma tradução mas que sejam pensadas diretamente em língua gestual portuguesa, que é uma língua que muitas vezes não tem correspondência direta com conceitos e ideias, sobretudo se falamos de arte e de história de arte.” A primeira visita foi em 2015, no Serralves em Festa. Agora, fazem pelo menos uma visita por mês em Serralves e outras coisas, como as visitas guiadas no Teatro São João.

Pedro Prata, 42 anos, é técnico de informática e surdo. É também um dos participantes mais assíduos nestas visitas. Gostou da exposição de Jorge Pinheiro mas, até agora, a sua preferida foi “a dos balões”, diz, referindo-se à exposição de Philippe Parreno. “Dessa gostei muito, muito.” Antes de descobrir as visitas em LGP em Serralves tem uma vaga memória de ter visitado a Fundação uma vez: “Há muito tempo, devia ter uns 16 anos, com a escola, mas acho que nem sequer havia o museu”. A mediação faz toda a diferença: “Se eu viesse aqui sozinho até podia ver as obras mas não ficava a perceber nada. Assim, faz tudo muito mais sentido na minha cabeça. Só é pena não haver mais, visitas, espetáculos, tudo.”

A lista da programação cultural acessível é disponibilizada, trimestralmente, no site da Acesso Cultura, uma associação sem fins lucrativos criada em 2013 para promover a melhoria das condições de acesso - físico, social e intelectual - dos espaços culturais, procurando ultrapassar todos obstáculos. Promovendo mudanças, pequenas e grandes. Como ter rampas de acesso ou portas que facilitem a circulação de pessoas com deficiências motoras. Ter “sessões descontraídas” de espetáculos ou filmes, com condições de luz e som especiais. Ter audioguias em museus ou visitas com audiodescrição em exposições (como há no Padrão dos Descobrimentos). Promover a oferta cultural em regiões onde esta é escassa. E muito mais.

Agora que as instituições parecem estar mais atentas para este problema, falta a parte mais complicada: divulgar estes serviços entre as comunidades que deles precisam. “É importante criar uma regularidade, uma programação fixa, que as pessoas saibam que isto existe e que podem vir”, diz Nuno Santos, o responsável pela área da acessibilidade do Teatro São Luiz. “Os número não são importantes para nós. Se vier uma pessoa, fazemos a audiodescrição ou a LGP para uma pessoa. Se não vier nenhuma, não fazemos, mas estamos cá à hora marcada. Como acontece numa sessão normal. Os atores também nunca sabem se vão ter espectadores ou não.” Ou como diz Anaísa Raquel: “É preciso tornar estes serviços tão banais que, um dia, nem precisaremos fazer notícias sobre isto.”

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

As culpas de Sánchez no crescimento do Vox

resultado eleitoral do Vox, um partido por muitos classificado como de extrema-direita, foi amplamente noticiado em Portugal: de repente, na Andaluzia, a mais socialista das comunidades autónomas, apareceu meio milhão de fascistas. É normal o destaque dado aos resultados dessas eleições, até pelo que têm de inédito. Pela primeira vez a esquerda perdeu a maioria e os socialistas não formarão governo. Nem quando surgiu o escândalo ERE, envolvendo socialistas em corrupção, isso sucedera.

Premium

João Taborda da Gama

Nunca é só isso

Estou meses sem ir a Coimbra e numa semana fui duas vezes a Coimbra. Até parece uma anedota que havia, muito ordinária, que acabava numa carruagem de comboio com um senhor a dizer vamos todos para Coimbra, vamos todos para Coimbra, mas também não me lembro bem e não é o melhor sítio para a contar mesmo que me lembrasse. Dizia que fui duas vezes a Coimbra numa semana, e das duas encontrei pessoas conhecidas de que não estava à espera, no comboio, no café, na rua. Duas coisas que acontecem cada vez menos, as pessoas contarem anedotas umas às outras, muito menos ordinárias, que não se pode, e encontrarem-se por acaso, que não acontece. E não se encontram por acaso, porque mais dificilmente se desencontram. Para encontrar é preciso desencontrar, e quando o contacto é constante, quando a aparência de acompanhamento da vida do outro rodeia tudo o que fazemos, é difícil sentir o desencontro.

Premium

Ruy Castro

Uma multidão de corruptos injusta e pessoalmente perseguidos

Nenhum agente público no Brasil, nem mesmo o presidente da República, pode ganhar acima de 33 mil reais por mês. Isso equivale a pouco mais de oito mil euros - o que, para as responsabilidades de certas funções, pode ser considerado um salário modesto. Mas você ficaria surpreso ao ver como, no Brasil, esse valor ganha uma extraordinária elasticidade e consegue adquirir coisas que, em outros países, custariam muito mais dinheiro. Com ele, nossos políticos compram, por exemplo, redes inteiras de estações de rádio e televisão, prédios de 20 ou mais andares em regiões de proteção ambiental e edificação proibida e extensões de terra maiores do que a área de certos países europeus. É um fenómeno. Mais surpreendente ainda foi o que descobrimos esta semana. O governador do estado do Rio - cuja capital é a infeliz cidade do Rio de Janeiro -, Luiz Fernando Pezão, fez apenas 11 saques em suas contas bancárias de 2007 a 2014. Alguns desses saques eram no valor de três euros, o que lhe permitiria comprar no máximo um saco de pipocas, e nenhum acima de oitocentos euros. Por mais que Pezão pareça um sujeito humilde e desapegado, como se pode viver com tão pouco? Talvez tivesse dinheiro em espécie acumulado em algum lugar - quem sabe um cofre em sua casa ou mesmo o seu próprio colchão -, do qual fosse retirando apenas o suficiente para seus alfinetes. Não por acaso, a Polícia Federal prendeu-o na semana passada, acusando-o de ter recebido o equivalente a dez milhões de euros de propina, naquele período em que ele era vice-governador do então titular Sérgio Cabral - que, por sua vez, está condenado por enquanto a 197 anos de prisão por corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Cabral é acusado também de ter cerca de 85 milhões de euros em depósitos fora do Brasil. Onde estarão os milhões de Pezão? E Michel Temer, dentro de 20 dias a contar de hoje, deixará de ser presidente do Brasil. No dia 1 de janeiro, uma terça-feira, passará a faixa presidencial a seu sucessor e perderá a imunidade que o impede de ser condenado por atividades ilícitas anteriores ao seu mandato. É quase certo que, já no dia seguinte, agentes da Polícia Federal baterão à sua porta em São Paulo, para levá-lo a explicar-se sobre as atividades ilícitas praticadas antes e durante o mandato. Explicações que ele terá dificuldade para dar, já que os investigadores parecem ter provas robustas de suas trampolinagens. E não se pense que tudo nessa turma se refere a milhões - uma inocente obra de reparos na casa de uma filha de Temer em São Paulo, "oferecida" por um empresário, indica um gesto de gratidão desse empresário por certa obra de vulto em que Temer, como presidente, o favoreceu. Nem toda a corrupção tem o dinheiro como fim. Ele pode ser também um meio - para se chegar ao mesmo fim. No caso do Brasil, foi o que prevaleceu nos últimos 15 anos: o desvio de dinheiro público para a manutenção do poder político, eternizando o desvio de dinheiro público. É uma equação diabólica, principalmente se maquiada de uma tintura ideológica - práticas de direita com um discurso de esquerda. E não se pense também que isso envolveu apenas os políticos. A Operação Lava-Jato, que está botando para fora os podres do país, condenou até agora 65 pessoas à prisão, das quais somente 13 políticos, num total de quase duzentas em fase de investigação ou já denunciadas. Entre estas, contam-se doleiros, operadores de câmbio, publicitários, lobistas, pecuaristas, irmãos, cunhados, ex-mulheres e "amigos" de políticos e carregadores de malas de dinheiro, além de funcionários, gerentes de serviço, executivos, tesoureiros, diretores, sócios-proprietários e presidentes de grandes empresas. Entre os presos ou investigados, estão também um ex-presidente da Câmara dos Deputados, um ex-presidente do Senado, vários ex-ministros de Estado (dos quais três ex-ministros da Fazenda), três ex-tesoureiros do Partido dos Trabalhadores, meia dúzia de altos funcionários da Petrobras, o ex-presidente do banco de desenvolvimento nacional, seis ex-governadores estaduais, os presidentes das quatro maiores empresas de construção civil do Brasil e quatro ex-presidentes da República. Um deles, Luiz Inácio Lula da Silva. Portanto, quando lhe falarem que o querido Lula está sofrendo uma perseguição pessoal e injusta, pense nos citados acima, tão injusta e pessoalmente perseguidos quanto ele.

Premium

Marisa Matias

O Christian, a Rosa e a rua

Quero falar-vos do Christian Georgescu, uma daquelas pessoas que a vida nos dá o privilégio de conhecer. Falo-vos com nome e apelido porque a história dele é pública. Nasceu em Bucareste, na Roménia, tem 40 anos e encontrou casa no Porto. Trabalhou desde cedo até que um dia lhe faltou comida na mesa. A crise no início dos anos 2000 e a necessidade de dar de comer à filha fizeram que decidisse entrar num mundo paralelo. A juntar a isso, começou a consumir drogas e foi preso. Quando saiu percebeu que tinha de ir para longe para mudar e veio para o Porto.