Comic Con Portugal anuncia Hermann como primeiro nome

Evento decorrerá na Exponor, em Matosinhos, de 14 a 17 de dezembro.

A organização da Comic Con Portugal anunciou os autores Hermann e Andrzej Sapkowski, e o ilustrador Rafael Albuquerque como os primeiros nomes do evento a decorrer na Exponor, em Matosinhos, de 14 a 17 de dezembro.

Em comunicado que se segue à publicação dos nomes das primeiras confirmações nas redes sociais ao longo da semana, a Comic Con Portugal anunciou ainda novidades nos bilhetes, além dos já existentes, com a criação da modalidade "Kids Go Free" (por cada bilhete de adulto será disponibilizado um bilhete para crianças até aos 12 anos), a oferta de um bilhete por cada dez comprados em simultâneo e a oferta de um desconto no bilhete diário, no caso da doação de um livro, "a ser distribuído por escolas e/ou instituições".

O ilustrador brasileiro Rafael Albuquerque "dá rosto e cor à distinta série de banda desenhada 'American Vampire'", lembrou a organização do evento, acrescentando que este trabalho valeu ao artista um prémio Eisner e um Harvey, em 2011.

Por seu lado, Hermann "é um ilustrador e escritor belga que deu vida, em 1977, à série de banda desenhada pós-apocalíptica 'Jeremiah', que mais tarde foi adaptada para uma série televisiva".

"Dos notáveis trabalhos, o artista viu o seu talento a ganhar destaque com a criação da obra que remetia para a Idade Média: 'Les Tours de Bois-Maury' ('As Torres de Bois-Maury'), em 1983. Iniciou a sua carreira de ilustrador em 1966, ao dar vida à banda desenhada 'Bernard Prince', publicada na Revista Tintin", sublinhou a Comic Con Portugal.

Por último, o escritor polaco de fantasia Sapkowski é mais conhecido por ter sido o criador da série "The Witcher", que deu origem a um videojogo de popularidade global e que está em vias de ser adaptada à televisão pela Netflix.

A Comic Con Portugal vai realizar este ano a sua quarta edição, tendo contado com perto de 73 mil visitantes em 2016.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.