Comic Con Portugal anuncia Hermann como primeiro nome

Evento decorrerá na Exponor, em Matosinhos, de 14 a 17 de dezembro.

A organização da Comic Con Portugal anunciou os autores Hermann e Andrzej Sapkowski, e o ilustrador Rafael Albuquerque como os primeiros nomes do evento a decorrer na Exponor, em Matosinhos, de 14 a 17 de dezembro.

Em comunicado que se segue à publicação dos nomes das primeiras confirmações nas redes sociais ao longo da semana, a Comic Con Portugal anunciou ainda novidades nos bilhetes, além dos já existentes, com a criação da modalidade "Kids Go Free" (por cada bilhete de adulto será disponibilizado um bilhete para crianças até aos 12 anos), a oferta de um bilhete por cada dez comprados em simultâneo e a oferta de um desconto no bilhete diário, no caso da doação de um livro, "a ser distribuído por escolas e/ou instituições".

O ilustrador brasileiro Rafael Albuquerque "dá rosto e cor à distinta série de banda desenhada 'American Vampire'", lembrou a organização do evento, acrescentando que este trabalho valeu ao artista um prémio Eisner e um Harvey, em 2011.

Por seu lado, Hermann "é um ilustrador e escritor belga que deu vida, em 1977, à série de banda desenhada pós-apocalíptica 'Jeremiah', que mais tarde foi adaptada para uma série televisiva".

"Dos notáveis trabalhos, o artista viu o seu talento a ganhar destaque com a criação da obra que remetia para a Idade Média: 'Les Tours de Bois-Maury' ('As Torres de Bois-Maury'), em 1983. Iniciou a sua carreira de ilustrador em 1966, ao dar vida à banda desenhada 'Bernard Prince', publicada na Revista Tintin", sublinhou a Comic Con Portugal.

Por último, o escritor polaco de fantasia Sapkowski é mais conhecido por ter sido o criador da série "The Witcher", que deu origem a um videojogo de popularidade global e que está em vias de ser adaptada à televisão pela Netflix.

A Comic Con Portugal vai realizar este ano a sua quarta edição, tendo contado com perto de 73 mil visitantes em 2016.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.