Comic Con: o local onde "podemos ser quem quisermos"

Milhares de pessoas encheram hoje a Exponor, em Matosinhos, para o segundo dia da estreia nacional deste evento.

O diretor do Comic Con, Paulo Rocha Cardoso, afirmou à Lusa que ainda era cedo para falar de números de entradas, depois de a organização ter estabelecido a meta das 20 mil pessoas, mas realçou que a abertura do dia de hoje estava a ser "fabulosa", numa iniciativa que pretendem tornar num "dos maiores eventos a nível nacional e - quem sabe - transformar num evento europeu".

Numa Exponor em que dezenas de participantes se apresentavam vestidos como personagens de filmes ou de banda desenhada (o denominado 'cosplay'), Samuel Moreira, de 21 anos, encontrava-se num grupo de amigos vestido de Jedi, da "Guerra das Estrelas".

"Adoro a interação das pessoas, aqui somos todos amigos durante um dia e ninguém se conhece. Podemos ser quem quisermos e ninguém nos vai julgar por isso, é um dia diferente", disse à Lusa o fã de banda desenhada japonesa vindo de Marco de Canavezes.

Numa mistura de mais velhos com mais novos, por entre bancas de videojogos, bandas desenhadas, filmes, entre outros ícones de cultura 'pop', famílias como a de Manuel Júnior e Cláudia Domingues, de Viana do Castelo, caminhavam pelo espaço da Exponor pela "alegria de poder estar na primeira Comic Con Portugal", como explicou Manuel Júnior, ladeado pelos dois filhos.

Paulo Rocha Cardoso destacou ser importante que a experiência do evento de estreia seja positiva para os participantes e para os convidados, de forma a que "no próximo ano se torne muito mais fácil trazer grandes celebridades ao país".

A atriz Natalie Dormer, que interpreta Margaery Tyrell na série televisiva "Guerra de Tronos" e Cressida nos filmes "Jogos da Fome", veio este ano e declarou, em conferência de imprensa, que o facto de nunca ter estado em Portugal era um dos fatores para ter aceitado o convite para fazer parte da primeira Comic Con nacional, realçando também as ligações entre os ingleses e os portugueses.

"O que aprendi com ser parte de 'Guerra de Tronos', 'Jogos da Fome', 'Elementary', é que são projetos espetaculares apoiados pelos fãs e que a magia e o apoio começam com os fãs. Adoro a interação com os fãs, então apelava-me vir a um local onde está a começar e alimentar esse mesmo fenómeno", disse Natalie Dormer, que revelou estar a preparar com o noivo, Anthony Byrne, um filme intitulado "In Dark Places", escrito por ambos.

A Comic Con Portugal prossegue até domingo, com a presença de convidados nacionais e internacionais do mundo do cinema, da banda desenhada e da televisão, como Seth Gilliam (de "The Walking Dead"), Paul Blackthorne (da série "Arrow"), o argumentista Brian K. Vaughan, entre muitos outros.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.