Coleção Miró tem importância relativa, diz DGPC

O diretor-geral do Património Cultural, Nuno Vassallo e Silva, considera que as 85 obras de Joan Miró, provenientes do ex-Banco Português de Negócios, têm uma importância "relativa" no contexto do mercado internacional da arte.

Numa entrevista à agência Lusa, o responsável ressalva, no entanto, que "tudo será estudado", no contexto da Lei do Património Cultural, que exige o acordo do proprietário para abrir um processo de classificação, nos dez anos seguintes à importação.

Até agora, apenas quatro das 85 obras passaram esse prazo, permitindo a classificação, independentemente da vontade dos proprietários, e a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) já se pronunciou em outubro sobre esses desenhos, justificando que não são suficientemente relevantes para serem classificados.

"Em relação às quatro obras, já manifestámos o nosso desinteresse, porque não têm relevância", declarou Nuno Vassallo e Silva, acrescentando que, sobre as restantes obras, "tudo será estudado".

Apontou que, ao contrário do que se tem falado, "não é uma coleção, é um conjunto de obras".

"Foi comprado unicamente com fins especulativos", recordou, sobre a origem do conjunto das peças que foi parar ao antigo Banco Português de Negócios (ex-BPN), nacionalizado em 2008.

As obras estão atualmente na posse das empresas Parvalorem e Parups, criadas pelo Estado em 2010 com o objetivo de gerir os ativos e recuperar os créditos do ex-BPN e, no caso desta coleção, o objetivo prende-se com a realização de um leilão em Londres, no início deste ano.

O leilão acabou por ser adiado duas vezes pela Christie's, na sequência de processos interpostos pelo Ministério Público no Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa (TACL), contra a saída das obras do país.

Relativamente ao conjunto das obras, Nuno Vassallo e Silva considera que "tem de ser visto de um ponto de vista mais amplo: Miró é um artista de cotação internacional, muito valioso, e surgem dezenas de obras à venda no mercado mundial".

"O que temos em Portugal são 85 obras. O Museu Miró [da Fundação, em Barcelona] tem 14 mil obras, a Fundação Pilar e Miró, em Palma de Maiorca, tem umas seis mil obras, o Museu Rainha Sofia tem cerca de duzentas, o MoMA, em Nova Iorque, também tem obras importantíssimas", apontou.

Na opinião do diretor-geral do Património Cultural, "este contexto, associado ao grande número de obras que existem no mercado, relativiza muito a importância deste conjunto" em Portugal.

"Tem de ser tudo relativizado e tem de ser visto em termos internacionais", sustentou.

Em julho deste ano, o secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, tinha pedido à DGPC a abertura do processo de classificação e inventariação das 85 obras de Joan Miró (1893-1983).

A entidade acabou por arquivar o processo, depois de a Parvalorem ter comunicado oficialmente que não reconhecia, "nos termos legais, interesse ou necessidade de se proceder à classificação das obras Miró".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.