Coleção Rockefeller avaliada em 600 milhões de dólares vai a leilão

A coleção de arte Rockefeller, avaliada globalmente em 600 milhões de dólares (cerca de 500 milhões de euros), com mais de quatro mil peças, vai a leilão pela Christie's a partir de terça-feira, em Nova Iorque.

A coleção poderá ultrapassar recordes, estimam os especialistas, já que são esperadas obras de artistas consagrados como Picasso, Monet, Rivera, Manet, Delacroix, Cézanne, Gauguin e Hopper.

As peças viajaram pelo mundo para serem vistas antecipadamente em Paris, Pequim, Xangai e Los Angeles, e serão leiloadas em várias sessões, até sexta-feira.

Depois da morte do milionário David Rockefeller, a 20 de março do ano passado, com 101 anos, e da mulher, Peggy, previamente, em 1996, e depois de parte da coleção ter sido doada ao Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMA), as restantes obras vêm agora a leilão.

Entre as peças que se espera atingir um valor mais elevado estão "Fillette à la corbeille fleurie", de Pablo Picasso, estimada em 100 milhões de dólares (83 milhões de euros), e "Nymphéas en fleur", de Monet, um importante trabalho do artista, que pode atingir 70 milhões de dólares (58 milhões de euros).

Também há obras de artistas norte-americanos como Edward Hopper, Georgia O'Keeffe e Willem de Kooning. Do mexicano Diego Rivera, é levada a leilão a obra "The Rivals", pintada em 1931, a bordo do navio que o transportou, com a artista e companheira Frida Kahlo, para Nova Iorque.

A coleção inclui outros objetos raros além da pintura: um serviço de mesa que Napoleão levou para o exílio na ilha de Elba, em 1814, e um queimador de incenso sírio do século XIII, com decoração cristã e árabe, que esteve na secretária de David Rckefeller até à sua morte.

O casal apoiou muitos artistas e instituições ao longo da vida, designando-se sempre como uma espécie de guardiães das obras, em vez de seus proprietários, como diziam.

o resultado das vendas da coleção irá para organizações de caridade.

Depois da pintura "Salvator Mundi", de Leonardo da Vinci, em novembro do ano passado, ter marcado a história dos leilões, ao atingir um preço de venda de 450 milhões de dólares (376 milhões de euros), Nova Iorque prepara-se para novos recordes esta semana com a coleção Rockefeller.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.