Coleção Rockefeller avaliada em 600 milhões de dólares vai a leilão

A coleção de arte Rockefeller, avaliada globalmente em 600 milhões de dólares (cerca de 500 milhões de euros), com mais de quatro mil peças, vai a leilão pela Christie's a partir de terça-feira, em Nova Iorque.

A coleção poderá ultrapassar recordes, estimam os especialistas, já que são esperadas obras de artistas consagrados como Picasso, Monet, Rivera, Manet, Delacroix, Cézanne, Gauguin e Hopper.

As peças viajaram pelo mundo para serem vistas antecipadamente em Paris, Pequim, Xangai e Los Angeles, e serão leiloadas em várias sessões, até sexta-feira.

Depois da morte do milionário David Rockefeller, a 20 de março do ano passado, com 101 anos, e da mulher, Peggy, previamente, em 1996, e depois de parte da coleção ter sido doada ao Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMA), as restantes obras vêm agora a leilão.

Entre as peças que se espera atingir um valor mais elevado estão "Fillette à la corbeille fleurie", de Pablo Picasso, estimada em 100 milhões de dólares (83 milhões de euros), e "Nymphéas en fleur", de Monet, um importante trabalho do artista, que pode atingir 70 milhões de dólares (58 milhões de euros).

Também há obras de artistas norte-americanos como Edward Hopper, Georgia O'Keeffe e Willem de Kooning. Do mexicano Diego Rivera, é levada a leilão a obra "The Rivals", pintada em 1931, a bordo do navio que o transportou, com a artista e companheira Frida Kahlo, para Nova Iorque.

A coleção inclui outros objetos raros além da pintura: um serviço de mesa que Napoleão levou para o exílio na ilha de Elba, em 1814, e um queimador de incenso sírio do século XIII, com decoração cristã e árabe, que esteve na secretária de David Rckefeller até à sua morte.

O casal apoiou muitos artistas e instituições ao longo da vida, designando-se sempre como uma espécie de guardiães das obras, em vez de seus proprietários, como diziam.

o resultado das vendas da coleção irá para organizações de caridade.

Depois da pintura "Salvator Mundi", de Leonardo da Vinci, em novembro do ano passado, ter marcado a história dos leilões, ao atingir um preço de venda de 450 milhões de dólares (376 milhões de euros), Nova Iorque prepara-se para novos recordes esta semana com a coleção Rockefeller.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.