Cinemas tiveram mais espectadores e receitas no primeiro semestre

Foram 6,8 milhões de espectadores, o que traduz uma ligeira subida (com mais 168 mil bilhetes emitidos) em relação ao mesmo período de 2015

Os cinemas portugueses registaram mais espectadores e receitas de bilheteira, no primeiro semestre deste ano, comparando com os mesmos seis meses de 2015, com a animação "Zootrópolis" a ser o filme mais visto.

De acordo com dados do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA), entre janeiro e junho deste ano, as salas de cinema tiveram 6,8 milhões de espectadores, o que traduz uma ligeira subida (com mais 168 mil bilhetes emitidos) em relação ao mesmo período de 2015.

Quanto a receitas brutas de bilheteira, houve uma subida de quase 700 mil euros, de 33,9 milhões de euros para 34,6 milhões de euros.

A animação "Zootrópolis" foi o filme mais visto este ano pelos portugueses, com 391.128 espectadores e 1,8 milhões de euros de receita de bilheteira.

O filme português com mais espectadores, este ano, foi a comédia "O amor é lindo... porque sim!", de Vicente Alves do Ó, com 31.109 espectadores.

Entre os dez filmes portugueses mais vistos estão ainda "Axilas", o último filme de José Fonseca e Costa, com 4.335 espectadores, o premiado "John From", de João Nicolau, com 1.404 espectadores, e o documentário "Mudar de Vida - José Mário Branco, vida e obra", com 1.227 espectadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.