Cinemas europeus com mais espetadores e Portugal contribuiu para isso

Em 2015 contabilizaram-se 1.210 milhões de espetadores, contra os 1.151 milhões de 2014

As salas de cinema da Europa tiveram 1.210 milhões de espetadores em 2015, um aumento de 5,2 por cento face a 2014, com Portugal, Finlândia e Dinamarca a contribuírem para essa subida, revelou hoje o MEDIA Salles.

Estes são dados preliminares, da exibição cinematográfica no espaço europeu, revelados hoje pelo projeto MEDIA Salles, do Programa Media da União Europeia, e que serão apresentados esta semana à margem do Festival Internacional de Cinema de Berlim, que começa na quinta-feira.

Com base nas informações estatísticas já disponibilizadas por 32 países, no que toca à exibição comercial, em 2015 contabilizaram-se 1.210 milhões de espetadores, contra os 1.151 milhões de 2014.

"Foi um bom ano para os cinemas europeus", afirmou o presidente do MEDIA Salles, Paolo Protti.

Entre os países que registaram maior aumento de frequência de cinema em circuito comercial estão Portugal (com um aumento de 20,4 por cento), Finlândia (20,3 por cento) e Dinamarca (15,8 por cento).

Em janeiro, o Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA) já tinha anunciado que em 2015, Portugal contabilizou 14,5 milhões de espetadores, ou seja, mais 2,5 milhões de espetadores - cerca de 20 por cento - do que em 2014.

Entre os países com maiores taxas de exibição, a Alemanha e Reino Unido também registaram subidas nos hábitos de consumo de cinema dos espetadores, enquanto França teve uma ligeira descida, de 1,4 por cento.

O MEDIA Salles assinala ainda uma aceleração do processo de conversão tecnológica das salas de cinema, registando a existência de 36.200 salas com projeção em digital, cerca de 95 por cento do panorama do circuito comercial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.