Cinema português invade (Festival de) Berlim

O cartaz do Festival de Berlim fica completo nos próximos dias. Salomé Lamas, Ivo M. Ferreira, Leonor Teles e Hugo Vieira da Silva têm trabalhos prontos e podem marcar presença

Nada é ainda oficial mas a Competição e o Forum podem receber muito cinema português na Berlinale que arranca a 11 de fevereiro. Os indícios estão à vista com vários títulos prontos e que fazem sentido nos critérios de programação de um dos maiores festivais do mundo. Será o ano dourado do cinema português?

O DN sabe que uma série de filmes tiveram acolhimento favorável do festival, podendo ser anunciados a qualquer momento o que, acontecer, seria um momento único no panorama nacional. "Estamos a tentar que Cartas da Guerra, de Ivo M. Ferreira, possa estar na competição oficial do Festival de Berlim. Diria que é um filme que tem valor para isso, um filme tipicamente perfeito para a seleção de Berlim! Aliás é a cara de Berlim...", avança o produtor da O Som e a Fúria, Luís Urbano, o produtor de um filme com um trunfo forte: António Lobo Antunes.

Cartas da Guerra nasce de uma adaptação das cartas de guerra do escritor português, reunidas e publicas com o título D'este Viver Aqui Neste Papel Descripto. Recorde-se que Lobo Antunes é um autor de grande notoriedade na Alemanha e, em particular, no norte da Europa.

"A partir do momento em que se é selecionado, há depois outro patamar importante: tentar ser-se programado para a melhor altura do festival - os primeiros dias, altura em que o mercado está pujante. A partir daí é montar a banca e criar um buzz", refere Urbano, o último produtor português a conseguir uma obra em competição na Berlinale, Tabu, de Miguel Gomes, em 2012 - venceu o prémio Alfred Bauer e, a partir daí, tornou-se no mais espantoso caso de sucesso internacional português desde Vou para Casa, de Manoel de Oliveira.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.