Cinema português invade (Festival de) Berlim

O cartaz do Festival de Berlim fica completo nos próximos dias. Salomé Lamas, Ivo M. Ferreira, Leonor Teles e Hugo Vieira da Silva têm trabalhos prontos e podem marcar presença

Nada é ainda oficial mas a Competição e o Forum podem receber muito cinema português na Berlinale que arranca a 11 de fevereiro. Os indícios estão à vista com vários títulos prontos e que fazem sentido nos critérios de programação de um dos maiores festivais do mundo. Será o ano dourado do cinema português?

O DN sabe que uma série de filmes tiveram acolhimento favorável do festival, podendo ser anunciados a qualquer momento o que, acontecer, seria um momento único no panorama nacional. "Estamos a tentar que Cartas da Guerra, de Ivo M. Ferreira, possa estar na competição oficial do Festival de Berlim. Diria que é um filme que tem valor para isso, um filme tipicamente perfeito para a seleção de Berlim! Aliás é a cara de Berlim...", avança o produtor da O Som e a Fúria, Luís Urbano, o produtor de um filme com um trunfo forte: António Lobo Antunes.

Cartas da Guerra nasce de uma adaptação das cartas de guerra do escritor português, reunidas e publicas com o título D'este Viver Aqui Neste Papel Descripto. Recorde-se que Lobo Antunes é um autor de grande notoriedade na Alemanha e, em particular, no norte da Europa.

"A partir do momento em que se é selecionado, há depois outro patamar importante: tentar ser-se programado para a melhor altura do festival - os primeiros dias, altura em que o mercado está pujante. A partir daí é montar a banca e criar um buzz", refere Urbano, o último produtor português a conseguir uma obra em competição na Berlinale, Tabu, de Miguel Gomes, em 2012 - venceu o prémio Alfred Bauer e, a partir daí, tornou-se no mais espantoso caso de sucesso internacional português desde Vou para Casa, de Manoel de Oliveira.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.