Cinema ganhou 446 mil espectadores em 2016

Filme mais visto foi A Vida Secreta dos Nossos Bichos. Entre os portugueses lidera A Canção de Lisboa.

Os cinemas portugueses somaram mais 3,8% de espetadores e receitas de bilheteira, nos primeiros dez meses deste ano, relativamente ao mesmo período de 2015, segundo dados hoje divulgados pelo Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA).

Em termos de receitas, de 01 de janeiro a 31 de outubro, verifica-se uma subida global de 3,8%, relativamente ao período homólogo do ano passado, com 2016 a registar 62,729 milhões de euros, contra os 60,414 milhões de euros contabilizados em 2015.

Em termos de espetadores, nos primeiros dez meses deste ano, somaram-se cerca de 12,240 milhões de espetadores (12.247.116), um aumento de cerca de 446 mil, em relação aos 11,081 milhões de espetadores (11.801.031), verificados de janeiro a outubro de 2015, traduzindo uma variação igual à das receitas: mais 3,8%, de 01 de janeiro a 31 de outubro de 2016.

A canção de Lisboa, de Pedro Varela, que se estreou a 14 de julho, é o filme português mais visto este ano, com 187 mil espetadores (187.108), ultrapassando O amor é lindo... porque sim!, de Vicente Alves do Ó, que liderou o primeiro semestre e se mantém em segundo lugar, com 31 mil espetadores (31.415).

Cartas da Guerra, de Ivo M. Ferreira, estreado em sala a 01 de setembro, é o terceiro filme português mais visto este ano, com 21 mil espetadores (21.166), até 31 de outubro.

A Vida secreta dos nossos bichos, de Chris Renaud e Yarrow Cheney, lidera a lista dos filmes mais vistos em 2016, até ao final de outubro, com cerca de 600 mil espetadores (600.266), somados entre a estreia, a 18 de agosto, e 31 de outubro.

Seguem-se Esquadrão suicida, de David Ayer, estreado a 04 de agosto, com 448 mil (448.968), e À procura de Dory, de Andrew Stanton e Angus MacLane, estreado a 23 de junho, com 421 mil (421.071) espetadores.

A receita de bilheteira de Vida secreta dos nossos bichos ronda os 2,967 milhões de euros, enquanto a bilheteira de A canção de Lisboa somou 942,885 mil euros.

A receita de bilheteira de Cartas da Guerra somava, a 31 de outubro, 108,743 mil euros.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.