Cinco dias à porta do centro comercial para ver os U2

Após um período de pré-vendas, cerca de três mil bilhetes chegam hoje a lojas de todo o país. Banda de Bono atua na Altice Arena a 16 de setembro. Um fã faz fila desde domingo

De gorro e capuz, casaco grosso camuflado e caderno A4 na mão, Sérgio Cardoso era quem todos queriam ver no final de tarde de quinta-feira à porta do Dolce Vita Tejo, Amadora. "É ele o primeiro da fila", informam as pessoas que estão àqueles que vão chegando. Nas folhas estão apontados os nomes de todos os que, como ele, querem garantir um dos 771 bilhetes para o concerto dos U2 que hoje vão ser postos à venda nesta loja. O concerto acontece a 16 de setembro na Altice Arena, em Lisboa.

VEJA A GALERIA DE IMAGENS DA CORRIDA AOS BILHETES

Ainda não são 19.00 e já há 209 inscritos. "Pelas nossas contas, até ao 211 há bilhetes", explica Sérgio Cardoso a quem lhe pede para se juntar à lista. "Mas não prometo nada", avisa, de imediato. Cada pessoa pode levar até quatro entradas e o tamanho da lista não impressiona. Menos de meia hora depois a fila já tinha crescido mais dez nomes.

"Pelo menos 12 pessoas desistiram", diz Jéssica Vaz à mãe, Sandra, quando esta chega para render o lugar. A filha está ali desde a hora do almoço para garantir bilhetes para os pais e amigos deles. "Já não sabia o que fazer", ri-se. "Vale a pena. Estamos há sete anos à espera", comenta outra pessoa há mais de 12 horas na entrada do centro comercial, junto ao ecrã gigante. A última vez que os U2 atuaram em Portugal foi em 2010 e quase uma década é demasiado tempo, sobretudo para os maiores fãs.

A partir das 21.00 a contagem passaria a ser feita de duas em duas horas até às 09.00 de hoje, quando um funcionário da loja Meo distribuirá as verdadeiras senhas que permitirão comprar os bilhetes por ordem de chegada. As bilheteiras abrem às 10.00, em lojas selecionadas por todo o país e através da plataforma online Blueticket. As pré-aquisições através do site dos U2 terminaram no sábado, seguindo-se a venda dos bilhetes associados à compra do álbum. Quem comprou Songs of Experience até 30 de novembro recebeu um código que dava acesso a um segundo momento de compra, entre 22 e 24 de janeiro.

Sérgio Cardoso, 35 anos, fã dos U2 desde que aos 12 ouviu Rattle and Hum, que tem ido a todos os concertos da banda e no último acampou mesmo quatro dias à porta do Estádio de Coimbra, antecipava que o número de bilhetes postos à venda seria baixo. "Foi por isso que decidi vir no domingo", conta. Ontem soube-se que seriam 2923, repartidos por 21 lojas de Portugal continental e ilhas, incluindo a Meo do Dolce Vita Tejo. "Tentámos cobrir todo o país e ter atenção à densidade populacional", referiu um representante da Meo no local, explicando a distribuição dos ingressos, que ia dos 771 no Dolce Vita Tejo aos 32 de Bragança, Guarda ou Portalegre, passando por 438 no Porto e 232 no Almada Fórum.

Nestes dias, Sérgio Cardoso dormiu no carro e num saco-cama, vigiado pelos seguranças do centro comercial, junto ao sinal que marca o início da fila. "A minha chefe marcou-me férias para esta altura. Tive sorte", diz o funcionário de uma cadeia de supermercados de Odivelas. Quando chegar a sua vez, vai pedir quatro bilhetes. Três são para amigos que lhe pagam o bilhete dele em troca do esforço para o bem comum.

Fazer fila é trabalho também para Jorge Silva, senha número 98. "Não estou cá por mim. Perguntaram-me se eu podia vir a troco de X e eu vim. Estou desempregado... Só vim por eles e isto é bom. Conhecem-se outras pessoas, conversa-se."

Conversa-se sobretudo sobre os U2 e os concertos. "Aposto que vai haver uma segunda data", comenta-se, sem certezas. "O palco é 360º?", pergunta alguém. Respondem-lhe que sim e é isso que avança a promotora do espetáculo, Ritmos e Blues, no site. Será maior do que aquele que usaram em 2015, na última digressão. E ainda trazem um novo sistema de som e um ecrã led de elevada resolução, nove vezes maior do que aquele que acompanhou os espetáculos há dois anos.

A digressão eXPERIENCE + INNoCENCE, que se segue ao lançamento do disco Songs of Experience, em 2017, estreia-se em solo europeu em Berlim, a 31 de agosto, após a tournée pela América do Norte. Além da Alemanha, Bono, The Edge, Adam Clayton e Larry Mullen Jr. vão passar pelo Reino Unido, França, Espanha, Dinamarca e, claro, Portugal. Espetáculos especiais estão a ser preparados para Belfast e Dublin, cidade em que nasceram os U2.

Estes concertos, cujas datas ainda não são conhecidas, estão entre os que um dos fãs mais gostaria de ver neste ano. Comenta-o durante a longa espera com outra pessoa. Ambos fazem turismo à boleia de Bono e companhia. "Há um ano estive em Dublin, Paris, Barcelona e Las Vegas", conta Sérgio Eusébio. Neste ano já tem asseguradas entradas para o concerto em Boston, Madrid e Lisboa. Pelas suas contas, já os viu 26 vezes, e continua a fazer sentido fazer fila durante dois dias.

Mas este espetáculo também vai ser uma estreia. Rui Valente, motorista, tirou um dia de férias e juntou folgas para poder estar na fila e comprar bilhetes para ele, para a mulher e para os dois filhos, de 23 e 18 anos. "Tinha de ser. Tenho 50 anos, são a minha banda de eleição e nunca os vi."

(ATUALIZAÇÃO: Sérgio Cardoso foi, de facto o primeiro a comprar bilhetes naquele espaço comercial)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.