Cinco artistas em torno do que existe "Para Além do Zero e do Um"

As obras de Catarina Patrício, Filipe Pinto, Paulo Lisboa, Ricardo Geraldes e Tânia da Fonte estarão patentes até 18 de junho

Inaugura amanhã às 18.30 na MUTE, plataforma de arte contemporânea baseada no Príncipe Real, em Lisboa, a exposição coletiva Para Além do Zero e do Um, que reúne obras de Catarina Patrício, Filipe Pinto, Paulo Lisboa, Ricardo Geraldes e Tânia da Fonte, que às 19.00 apresentará ainda uma performance.

É através dessa performance, como do desenho, da fotografia, da instalação ou do filme que estes cinco artistas procuram uma "multiplicidade", lê-se na folha de sala assinada por Vasco Baptista Marques, e "a encontram na figuração conjunta daquilo a que podemos chamar «o mundo do depois»: do depois do humano, do depois do trabalho, do depois de uma linguagem que se quer imune a ambiguidades e a diferentes possibilidades de leitura."

A exposição pode ser vista de quarta-feira a sábado entre as 15.30 e as 19.30, e estará patente até 15 de junho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.