Churchill nos livros: Várias vidas numa só vida

Na semana em que estreou nos cinemas A Hora Mais Negra, eis alguns livros para saber mais sobre Winston Churchill

Há o monumental; o apologético; o controverso; o sintético. A autobiografia. As memórias do próprio sobre a II Guerra Mundial - quase cinco mil páginas escritas entre 1948 e 1953, parte delas quando Winston Churchill esteve em Downing Street pela segunda e última vez (1951-55). As mais de cem obras que Max Hastings diz ter na sua biblioteca sobre Churchill estão longe de esgotar todas as facetas do estadista britânico que teve em 1939-45 o seu momento áureo, como o salienta aquele autor em Finest Years - Churchill as Warlord (Harper Press, 2009). Leitura indispensável, em paralelo com A Hora mais Negra, de Anthony McCarten (Editora Objectiva, 2017), ou com O Fator Churchill, de Boris Johnson, para entender as decisões e a determinação do primeiro-ministro britânico em não contemporizar com o regime nazi, e em que emerge outro aspeto essencial da sua personalidade política: a profunda suspeita sobre as intenções soviéticas na Europa. O que o levará a pedir, em maio de 1945, às chefias militares um plano para "impor à Rússia a vontade dos EUA e do Império Britânico para se obter um acordo "justo" para a Polónia" e que poderiam ser "mobilizados" os recursos alemães (palavras de Churchill). Aquilo que Hastings designa como a "belicosidade" de Churchill não

é outra coisa se não a essência da visão do mundo daquele que pode ser considerado o último imperialista. Leia-se a autobiografia My Early Life (1930) ou a History of the English-Speaking Peoples (1956-58) ou certos capítulos de Winston Churchill - Uma Vida, de Martin Gilbert. Obra em que ressalta outro dos seus aspetos essenciais: as preocupações sociais. Neste livro, como no inspirado Churchill, do trabalhista Roy Jenkins (Churchill passou pelos Liberais e Conservadores), que teve com ele um primeiro contacto em 1940 (tinha Jenkins 20 anos), emerge a terceira e, de algum modo, a característica menos conhecida: a pessoa, afável e afetuosa, o consumidor de habanos e de champanhe, pintor de talento (ao contrário do inimigo de Berlim) a quem a mulher tratava por pig - ele, a ela, chamava-lhe cat. Churchill morreu aos 90 anos. Estes e outros livros provam que viveu muito mais do que uma vida.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.