Churchill nos livros: Várias vidas numa só vida

A Hora Mais Negra tem Churchill na figura central

Na semana em que estreou nos cinemas A Hora Mais Negra, eis alguns livros para saber mais sobre Winston Churchill

Há o monumental; o apologético; o controverso; o sintético. A autobiografia. As memórias do próprio sobre a II Guerra Mundial - quase cinco mil páginas escritas entre 1948 e 1953, parte delas quando Winston Churchill esteve em Downing Street pela segunda e última vez (1951-55). As mais de cem obras que Max Hastings diz ter na sua biblioteca sobre Churchill estão longe de esgotar todas as facetas do estadista britânico que teve em 1939-45 o seu momento áureo, como o salienta aquele autor em Finest Years - Churchill as Warlord (Harper Press, 2009). Leitura indispensável, em paralelo com A Hora mais Negra, de Anthony McCarten (Editora Objectiva, 2017), ou com O Fator Churchill, de Boris Johnson, para entender as decisões e a determinação do primeiro-ministro britânico em não contemporizar com o regime nazi, e em que emerge outro aspeto essencial da sua personalidade política: a profunda suspeita sobre as intenções soviéticas na Europa. O que o levará a pedir, em maio de 1945, às chefias militares um plano para "impor à Rússia a vontade dos EUA e do Império Britânico para se obter um acordo "justo" para a Polónia" e que poderiam ser "mobilizados" os recursos alemães (palavras de Churchill). Aquilo que Hastings designa como a "belicosidade" de Churchill não

é outra coisa se não a essência da visão do mundo daquele que pode ser considerado o último imperialista. Leia-se a autobiografia My Early Life (1930) ou a History of the English-Speaking Peoples (1956-58) ou certos capítulos de Winston Churchill - Uma Vida, de Martin Gilbert. Obra em que ressalta outro dos seus aspetos essenciais: as preocupações sociais. Neste livro, como no inspirado Churchill, do trabalhista Roy Jenkins (Churchill passou pelos Liberais e Conservadores), que teve com ele um primeiro contacto em 1940 (tinha Jenkins 20 anos), emerge a terceira e, de algum modo, a característica menos conhecida: a pessoa, afável e afetuosa, o consumidor de habanos e de champanhe, pintor de talento (ao contrário do inimigo de Berlim) a quem a mulher tratava por pig - ele, a ela, chamava-lhe cat. Churchill morreu aos 90 anos. Estes e outros livros provam que viveu muito mais do que uma vida.

Últimas notícias

Brand Story

Tui

Mais popular

  • no dn.pt
  • Artes
Pub
Pub