Churchill no cinema: Entre a personagem e o mito

A Hora mais Negra é o filme mais recente (em exibição). Mas há outros a focar a vida do estadista britânico

Em 2009, ao preparar o seu filme sobre a Segunda Guerra Mundial, Sacanas sem Lei, Quentin Tarantino apostou em garantir um elenco recheado de nomes consagrados, com destaque para Brad Pitt e Michael Fassbender. Contracenando com outros atores conhecidos, embora não tão populares - Christoph Waltz, Diane Kruger, Daniel Brühl, etc. -, cabia-lhes a função dramática, mas também irónica, de interpretar a saga de um grupo envolvido numa versão "alternativa" da história, centrada num plano para assassinar Adolf Hitler e Joseph Goebbels durante a sessão de estreia de um filme num cinema de Paris...

O certo é que Tarantino tinha uma personagem que não resultava de artifícios ficcionais, enraizando-se nas mais perenes memórias da guerra: Winston Churchill, precisamente. Nesse caso, a sua escolha de um intérprete surpreendeu tudo e todos: nada mais nada menos que o veterano Rod Taylor, afastado da indústria cinematográfica desde finais da década de 90. Dir-se-ia que Tarantino dispensou o efeito de semelhança física, optando antes por uma figura que as gerações menos jovens não deixaram de associar a outros tempos das séries televisivas, com destaque para Hong Kong (1960-61), e também a filmes lendários como A Máquina do Tempo (1960), de George Pal, e Os Pássaros (1963), de Alfred Hitchcock. Para a história, Sacanas sem Lei ficaria como o derradeiro papel de Rod Taylor, falecido em 2015, contava 84 anos.

O caso de Rod Taylor é tanto mais curioso quanto corresponde a um modelo de representação antinaturalista, bem diferente daquele que encontramos, agora, através da performance de Gary Oldman em A Hora mais Negra. Aliás, esta preocupação de "imitação" física da personagem retratada tem sido dominante nos mais diversos momentos de figuração de Churchill, a começar pelos exemplos recentes do telefilme Churchill"s Secret (2016) e do filme Churchill (2017), com o primeiro-ministro britânico a ser interpretado, respetivamente, por Michael Gambon e Brian Cox. O mesmo se poderá dizer da composição de Albert Finney em The Gathering Storm (2002), outro telefilme, assinado por Richard Loncraine, em que o papel de Clemmie Churchill está entregue a Vanessa Redgrave.

Para encontrarmos uma abordagem francamente diferente, devemos mudar de época. E num duplo sentido: recuando a 1972, encontramos O Jovem Leão, realização de Richard Attenborough que faz o retrato de Churchill desde a infância até ao início da sua atividade parlamentar; com Simon Ward no papel central, o filme é uma ilustração tardia do modelo de superprodução da década anterior, curiosa sobretudo pela visão de Churchill antes do seu próprio mito.

Em boa verdade, a matriz mais popular da figuração cinematográfico de Churchill está nos filmes de guerra dos anos 60-70, menos preocupados com a investigação histórica, mais empenhados em valorizar as emoções da aventura. Lembremos o exemplo de Assassinos do Bairro (1960), de Robert S. Baker e Monty Berman, insólito pelo facto de Churchill, num brevíssimo aparecimento, estar entregue a Jimmy Sangster naquele que foi o seu único trabalho de representação, ele que trabalhou, sobretudo, como argumentista e produtor do género de terror. Mais populares foram, sem dúvida, Operação V-2 (1965), de Michael Anderson, e

O Voo das Águias (1976), de John Sturges - através de Patrick Wymark, no primeiro filme, e Leigh Dilley, no segundo, Churchill ascendeu também à condição de ícone cinéfilo.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.