Chico Buarque regressa a Portugal em junho

O músico brasileiro apresenta o seu mais recente trabalho, Caravanas, em espetáculos nos coliseus de Lisboa e Porto.

Três datas em Lisboa, no Coliseu dos Recreios e duas no Porto. Chico Buarque regressa a Portugal em junho, onze anos depois da última tournée. Dias 2 e 3 de junho no Porto, 6, 7 e 8 do mesmo mês em Lisboa, o compositor, músico e escritor brasileiro apresenta o seu mais recente trabalho, Caravanas, confirmou ao DN a promotora Everything is New.

Os bilhetes serão colocados à venda amanhã às 10.00. Custam entre 25 euros (galeria) e 360 euros (camarotes).

Caravanas é o 23.º álbum de estúdio de Chico Buarque e conta com nove temas. Foi produzido por Vinícius França e tem arranjos do maestro e violonista Luiz Cláudio Ramos, com quem Chico Buarque trabalha há mais de 30 anos.

Entre Chico (2011) e Caravanas (2017), Chico Buarque lançou o quinto romance, O Irmão alemão", e participou, como convidado, no mais recente álbum da fadista Carminho, intitulado Carminho canta Tom Jobim.

A última vez que Chico Buarque atuou em Portugal foi em 2006, quando fez nove concertos em Espinho, Porto e Lisboa a propósito do álbum "Carioca".

Segundo o site do Coliseu dos Recreios, este espetáculo é dedicado a Wilson Neves, baterista da banda falecido este ano. "Os músicos que acompanham o cantor são fiéis companheiros de palco: o maestro, arranjador e violonista Luiz Claudio Ramos, João Rebouças (piano), Bia Paes Leme (teclados e vocais), Chico Batera (percussão), Jorge Helder (contrabaixo), Marcelo Bernardes (flauta e sopros) e Jurim Moreira (bateria), substituindo Wilson das Neves", refere o mesmo texto.

Na digressão brasileira, que este mês Chico Buarque cumpre em São Paulo, o músico também tem interpretado canções da sua carreira como Iolanda, que compôs com Pablo Milanés, Injuriado, num dueto com Bia Paes Leme, As vitrines, Gota d'água, Geni e o zepelin, Futuros amantes, A história de Lily Braun, que escreveu com Edu Lobo, assim como A bela e a fera, ambas de O grande circo místico.

A imprensa destaca igualmente as críticas à presidência de Michel Temer, que Chico Buarque tem feito nas suas atuações, nomeadamente no sábado passado, em São Paulo quando, depois de cantar Homenagem ao Malandro, o cantor afirmou "Temer não ouve nada", enquanto o público gritava "Fora Temer".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.